PS põe bandeira a meia haste na sede nacional em homenagem a Edmundo Pedro

"Todos os socialistas portugueses partilham este momento de dor pela sua perda, mas também a confiança de que terão de saber estar à altura do extraordinário legado de Edmundo Pedro", lê-se num comunicado dos socialistas

O PS manifestou hoje o seu "mais profundo pesar" pela morte do seu "querido camarada" e dirigente histórico Edmundo Pedro e colocou a bandeira do partido a meia haste na sua sede nacional, em Lisboa.

"Todos os socialistas portugueses partilham este momento de dor pela sua perda, mas também a confiança de que terão de saber estar à altura do extraordinário legado de Edmundo Pedro", lê-se num comunicado do PS.

Antes, no texto, o partido, de que foi um dos fundadores, recorda as principais datas da vida de Edmundo Pedro, que morreu hoje, em Lisboa, aos 99 anos.

"[Foi] um sempre incansável combatente pelos valores da Liberdade e da Democracia, constituindo uma incontornável e perene referência de coragem e de combatente político para todos os socialistas portugueses", lê-se no comunicado.

Edmundo Pedro, militante antifascista, fundador e dirigente histórico do PS, morreu hoje, em Lisboa, aos 99 anos.

Nascido em 08 de novembro de 1918, no Samouco, concelho de Alcochete, Setúbal, foi preso pela primeira vez aos 15 anos, por participar na organização da greve geral de 1934.

Aderiu ao PCP na década de 1930, onde conheceu Álvaro Cunhal, o líder histórico dos comunistas portugueses, e foi, com o seu pai, Gabriel, um dos primeiros presos políticos do Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, em 1936.

Afastou-se do PCP em 1945, e participou em vários movimentos armados, para tentar derrubar o regime.

Em 1973, foi um dos fundadores do Partido Socialista, ao lado de Mário Soares.

Após o 25 de Abril, tornou-se deputado e foi também presidente da RTP, em 1977 e 1978.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.