Ferro Rodrigues lembra Edmundo Pedro como um "grande democrata"

"Edmundo Pedro era um amigo por quem tinha uma grande admiração", lê-se num comunicado do presidente da Assembleia da República

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, lamentou hoje a morte do dirigente histórico do PS Edmundo Pedro, lembrando-o como um "antifascista, grande democrata".

"Foi com grande tristeza que tive conhecimento do falecimento de Edmundo Pedro. Antifascista, grande democrata, Edmundo Pedro era um amigo por quem tinha uma grande admiração", lê-se numa declaração enviada à Lusa pelo presidente do parlamento e ex-secretário-geral do PS, de que Edmundo Pedro foi um dos fundadores.

Edmundo Pedro, militante antifascista, fundador e dirigente histórico do PS, morreu hoje, em Lisboa, aos 99 anos, disse à agência Lusa fonte do Partido Socialista.

Nascido em 08 de novembro de 1918, no Samouco, concelho de Alcochete, Setúbal, foi preso pela primeira vez aos 15 anos, por participar na organização da greve geral de 1934.

Aderiu ao PCP na década de 1930, onde conheceu Álvaro Cunhal, o líder histórico dos comunistas portugueses, e foi, com o seu pai, Gabriel, um dos primeiros presos políticos do Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, em 1936.

Afastou-se do PCP em 1945, e participou em vários movimentos armados, para tentar derrubar o regime.

Em 1973, foi um dos fundadores do Partido Socialista, ao lado de Mário Soares.

Após o 25 de Abril, tornou-se deputado e foi também presidente da RTP, em 1977 e 1978.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.