Marcelo lembra "lutador pela liberdade e pela democracia" e "criador do SNS"

O chefe de Estado expressou "um grande desgosto pessoal e também um grande desgosto enquanto cidadão e Presidente da República" com a notícia da morte de António Arnaut

O Presidente da República lamentou hoje a morte do antigo ministro António Arnaut lembrando-o como um "cidadão impoluto" que foi um "lutador pela liberdade e pela democracia" e "criador do Serviço Nacional de Saúde (SNS)".

Em declarações aos jornalistas, à saída do quartel dos bombeiros de Vila Nova de Tazem, no concelho de Gouveia, distrito da Guarda, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que António Arnaut foi "proponente de uma reforma do SNS há muito pouco tempo".

Eu tive a honra de o condecorar com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade e queria, como amigo, recordar com saudade a pessoa e, como Presidente da República, agradecer-lhe tudo o que fez por Portuga

O chefe de Estado expressou "um grande desgosto pessoal e também um grande desgosto enquanto cidadão e Presidente da República" com a notícia da sua morte.

"Eu tive a honra de o condecorar com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade e queria, como amigo, recordar com saudade a pessoa -- com quem estive, aliás, nos últimos meses, várias vezes -- e, como Presidente da República, agradecer-lhe tudo o que fez por Portugal", afirmou.

O antigo ministro dos Assuntos Sociais António Arnaut, considerado o "pai" do SNS, fundador do PS, do qual era presidente honorário, morreu hoje, em Coimbra, aos 82 anos.

Durante uma visita a vários pontos do concelho de Gouveia, para se inteirar da situação no terreno na sequência dos incêndios de 2017, Marcelo Rebelo de Sousa descreveu António Arnaut como um "cidadão impoluto, corajoso, destemido", que "foi e é um exemplo de democrata, de lutador pela liberdade, de socialista empenhado na solidariedade social".

O Presidente da República destacou a forma como o socialista era "sensível à justiça e à solidariedade", acrescentando: "Daí ser o criador do SNS que é, porventura, uma das expressões máximas da solidariedade social acolhida na nossa Constituição".

Marcelo Rebelo de Sousa recordou os tempos que viveram "em conjunto durante a revolução, colegas na [Assembleia] Constituinte" e os momentos que partilhou com Arnaut "quer no direito, quer fora do direito, até na literatura, acompanhando a sua obra".

O nome de António Arnaut ficará para sempre inscrito na memória da democracia portuguesa como combatente pela liberdade, fundador e presidente do Partido Socialista e 'pai do SNS'

"Era de uma fidelidade, de uma lealdade, de uma persistência em relação aos amigos notável", elogiou.

Numa nota entretanto divulgada no portal da Presidência da República, o chefe de Estado escreveu que "o nome de António Arnaut ficará para sempre inscrito na memória da democracia portuguesa como combatente pela liberdade, fundador e presidente do Partido Socialista e 'pai do SNS'".

O Presidente da República disse terem sido essas as razões pelas quais lhe atribuiu em 25 de abril de 2016 a grã-cruz da Ordem da Liberdade.

"O SNS muito deve, na sua génese e no seu desenvolvimento, ao humanismo de António Arnaut, ao seu espírito de serviço à causa pública e à sua empenha atenção aos outros e à comunidade", considerou.

Nesta mensagem, António Arnaut é recordado como "jurista prestigiado, homem de leis e de letras, cidadão de Coimbra e do mundo".

Apresentando "sentidas condolências" à sua família, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou: "Deixa-nos um exemplo ímpar de republicanismo cívico e de patriotismo humanista, que os milhões de utentes do SNS -- e, no fundo, todos os portugueses -- jamais esquecerão".

António Arnaut envolveu-se desde jovem na oposição ao Estado Novo e participou na comissão distrital de Coimbra da candidatura presidencial de Humberto Delgado

António Arnaut, advogado, nasceu na Cumeeira, Penela, no distrito de Coimbra, em 28 de janeiro de 1936, e estava internado nos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Presidente honorário do PS desde 2016, António Arnaut foi ministro dos Assuntos Sociais no II Governo Constitucional, grão-mestre do Grande Oriente Lusitano e foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem da Liberdade e com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Poeta e escritor, António Arnaut envolveu-se desde jovem na oposição ao Estado Novo e participou na comissão distrital de Coimbra da candidatura presidencial de Humberto Delgado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.