O toque mágico que veio dar liberdade a quem só podia atender chamadas

Fundação PT cria sistema para ecrãs tátéis que permite a quem tem dificuldades motoras enviar mensagens, fazer chamadas ou navegar na internet.

"Foi a primeira vez que enviei um SMS. Tinha um telemóvel mas só recebia chamadas." Foi a pensar na independência das pessoas com mobilidade limitada, como o jovem que fez esta afirmação, que a Fundação PT, a Magic Key e o Sapo criaram a aplicação PT MagicContact. Uma inovação que reúne as funções mais populares dos smartphones e tablets. Os ícones grandes e um sistema de mira que vai correndo as opções para serem ser selecionadas com um toque permitem que os tetraplégicos, pessoas com paralisia cerebral ou com doenças que limitam o controlo dos braços enviem mensagens, façam telefonemas e naveguem na internet.

A PT MagicContact é uma aplicação gratuita, disponível para o sistema Android, "totalmente portuguesa e desenhada de raiz para pessoas com limitações motoras, que reúne todas as potencialidades de telefone", descreveu Teresa Salema, diretora de Sustentabilidade e Desenvolvimento de Soluções da Fundação PT, ontem na apresentação da aplicação. Além da Fundação Portugal Telecom (PT), esta aplicação foi realizada em parceria com a Magic Key, uma spin off do Instituto Politécnico da Guarda, e o SAPO.

Presente na apresentação - durante a qual foi feita uma demonstração do uso da aplicação - esteve também Salvador Mendes de Almeida, da Associação Salvador, que colaborou na fase de testes e de melhoria das potencialidades deste sistema. "Esta aplicação é um grande estímulo para que as pessoas com deficiências motoras sejam ativas na sociedade", defendeu.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.