Jerónimo de Sousa: socialismo mantém todo o seu potencial de realização

Líder comunista falou este sábado no seminário "Socialismo, exigência da atualidade e do futuro"

O secretário-geral do PCP defendeu hoje que a luta de classes continua o motor da história, que o capitalismo está em crise e o socialismo mantém "todo o seu potencial de realização" e é o futuro da humanidade.

"O que o capitalismo tem a esperar não é o consenso e a harmonia das classes exploradas e exploradoras, mas a luta dos trabalhadores, dos povos e das nações, e a chegada de novas explosões revolucionárias para lhe pôr fim", afirmou Jerónimo de Sousa, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

No entanto, sustentou que "não há 'modelos' de revoluções, nem 'modelos' de socialismo, como sempre o PCP defendeu", e referindo-se a Portugal acrescentou: "A sociedade socialista que o PCP aponta ao nosso povo passa pela etapa que caracterizámos de uma democracia avançada".

Jerónimo de Sousa falava na abertura do seminário "Socialismo, exigência da atualidade e do futuro", organizado pelo PCP, no âmbito das comemorações do centenário da Revolução de Outubro na Rússia.

Num discurso de cerca de quinze minutos, perante um auditório cheio, o secretário-geral do PCP declarou: "Sim, a Revolução de Outubro continua a anunciar que outro mundo é possível - como ficará patente, estamos certos, no decorrer dos trabalhos deste seminário".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.