O PSD do país real acha que o partido não virou à direita

Dentro do PSD, o problema esquerda/direita ou social-democracia/liberalismo não existe. É preciso é olhar para a frente

O PSD deve recentrar-se ou não? Voltar à social-democracia ou não? Para a maior parte dos dirigentes do partido ouvidos pelo DN, espalhados pelo país e muitos deles dirigindo vivências locais como presidentes de câmara, este é um falso problema. A divisão não é social-democracia/neoliberalismo; é entre passado e futuro.

Diz, por exemplo, o presidente da distrital de Coimbra, Maurício Marques: "Recentrar o PSD? É um falso problema. O PSD nunca deixou de ser partido profundamente social-democrata.. Tivemos que manter bases fortes para manter o Estado Social. Não fomos nós que pusemos em causa o Estado Social. Os que nos levaram para a bancarrota [PS] é que puseram em causa o Estado Social. Nós salvamos o Estado Social. Nunca mexemos nas pensões dos mais desfavorecidos."

Ou, acrescenta Carlos Peixoto, deputado e presidente do PSD da Guarda, sintetizando o tal problema passado/futuro: "O próximo líder do PSD deve abandonar o discurso do défice, esse discurso não convém nada ao PSD porque aí as coisas estão a correr bem. Não devemos ter um discurso exclusivamente e estritamente económico e financeiro", o que é preciso é "agarrar bandeiras que dividam a geringonça: a Segurança Social, a reforma do sistema político e eleitoral, a descentralização e a coesão territorial".

Para Rui Rocha, presidente do PSD de Leiria, há uma vantagem neste "fim de ciclo de Pedro Passos Coelho": ele "encerra uma narrativa que estava muito assente no que o partido fez em 2011-15", uma narrativa que as pessoas "já não têm apetência para ouvir". Portanto, tem de "haver uma nova agenda" e o partido tem de começar "a animar-se por dentro" para depois enfrentar os desafios externos: "Estamos num tempo novo e o PSD tem de olhar para a frente".

Dizer que o partido precisa de se "recentrar" - isto é: infletir da direita para o centro - é o que caracteriza a análise de sociais-democratas que há muitos são críticos da direção, como por exemplo José Pacheco Pereira, cujas críticas a Passos Coelho assentam na ideia de que o PSD governou sendo forte com os fracos e fraco com os fortes, num quadro, portanto, tipicamente liberal.

Essa geometria, que colocou o PSD claramente à direita, seria depois confirmada pelo efeito inovador da geringonça, em que pela primeira vez o PS conseguiu governar aliado à esquerda.

António Costa Pinto, politólogo, diz que Passos, de 2015 para cá, "não conseguiu alterar essa perceção". Não deu a volta, nomeadamente, à ideia de que a sua reforma para a Segurança Social passaria essencialmente por cortar 600 milhões em pensões.

Portanto, no futuro, "o PSD terá, inevitavelmente, de ter uma mensagem mais social - não pode dizer que vai cortar 600 milhões". Quanto aos candidatos, o único aparentemente garantido é Rui Rio e esse terá como tarefa principal desmentir a associação à "ideia de bloco central" - agora absolutamente rejeitada por todos os dirigentes distritais que o DN ouviu.

Tudo isto dito, sobra uma evidência, segundo Costa Pinto - e é a evidência de sempre e nada tem que ver com fraturas esquerda/direita ou social-democracia/neoliberalismo: "Se a conjuntura económica continuar boa, é difícil para o PSD vencer em 2019."

Dito de outra forma: o PSD até pode reinventar-se de agora para a frente, eleger um líder que vire a página, esquecer de vez o trauma que foi ter ganho as eleições em 2011 e a isso não ter correspondido a formação de um novo governo (trauma permanente nas palavras de Passos Coelho). Mas se os números continuarem a correr bem a Costa, com continuidade nas políticas de devolução de rendimentos (em 2018 será via IRS), muito dificilmente o PSD poderá aspirar a voltar ao poder (o que até poderá explicar os não avanços de Montenegro e Rangel).

E, ao mesmo tempo, há outro fator, que o politólogo António Costa Pinto assinala: o CDS. Nas autárquicas esteve do lado vencedor no Porto (onde o resultado do PSD foi humilhante) e Cristas foi melhor do que o PSD em Lisboa. "O PSD vai ter de lidar com crescimento à direita do CDS. Vai ter de se preocupar também com isso e fazer discursos que evitem perdas para o CDS."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.