"O Presidente não está preocupado", garante o PEV

Deputado diz, contudo, ser ainda prematuro revelar o sentido de voto relativamente ao plano orçamental, até porque não se conhece nada do seu conteúdo

José Luís Ferreira, deputado, foi quem chefiou a delegação do PEV às audiências que o Presidente conduz hoje em Belém.

"Relativamente ao Orçamento do Estado, falamos sobre essa matéria, o Presidente da República não está preocupado mas quer saber como as coisas estão", disse o deputado.

Segundo acrescentou, a "Posição Conjunta" que o PEV estabeleceu com o PS "é uma segunda Constituição" e o partido está "disponível para prosseguir a caminhada".

Porém, disse, "é prematuro" dizer qual será o sentido de voto no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) até porque não se conhece nada do seu conteúdo.

O PEV manifestou ainda a Marcelo Rebelo de Sousa a sua posição absolutamente contrária à aplicação pela UE de sanções contra Portugal - "é uma espécie de ingerência", ainda por cima porque o anterior Governo seguiu de forma "quase religiosa" as políticas determinadas pela UE na legislatura 2011-2015.

O deputado ecologista assegurou ainda que uma eventual rutura no acordo com o PS será decidida pelo PEV independentemente da coligação que tem com o PCP, partido com que forma há muito uma coligação pré-eleitoral, a CDU.

Segundo explicou, a "posição conjunta" assinada entre o PEV e o PS é diferente das que o PS assinou com o PCP ou o BE e portanto uma decisão de rutura será tomada "à margem de qualquer outra consideração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.