"O Presidente não está preocupado", garante o PEV

Deputado diz, contudo, ser ainda prematuro revelar o sentido de voto relativamente ao plano orçamental, até porque não se conhece nada do seu conteúdo

José Luís Ferreira, deputado, foi quem chefiou a delegação do PEV às audiências que o Presidente conduz hoje em Belém.

"Relativamente ao Orçamento do Estado, falamos sobre essa matéria, o Presidente da República não está preocupado mas quer saber como as coisas estão", disse o deputado.

Segundo acrescentou, a "Posição Conjunta" que o PEV estabeleceu com o PS "é uma segunda Constituição" e o partido está "disponível para prosseguir a caminhada".

Porém, disse, "é prematuro" dizer qual será o sentido de voto no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) até porque não se conhece nada do seu conteúdo.

O PEV manifestou ainda a Marcelo Rebelo de Sousa a sua posição absolutamente contrária à aplicação pela UE de sanções contra Portugal - "é uma espécie de ingerência", ainda por cima porque o anterior Governo seguiu de forma "quase religiosa" as políticas determinadas pela UE na legislatura 2011-2015.

O deputado ecologista assegurou ainda que uma eventual rutura no acordo com o PS será decidida pelo PEV independentemente da coligação que tem com o PCP, partido com que forma há muito uma coligação pré-eleitoral, a CDU.

Segundo explicou, a "posição conjunta" assinada entre o PEV e o PS é diferente das que o PS assinou com o PCP ou o BE e portanto uma decisão de rutura será tomada "à margem de qualquer outra consideração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.