O futuro está no turismo, no mandarim e no espanhol

A 11.ª edição da Futurália começa esta quarta-feira na FIL com uma novidade: o Espaço Emprego, onde os jovens e adultos desempregados podem aprender truques para cativar o mercado

Tens mais de 18 anos e queres apostar em cursos com futuro? Então anota no teu tablet, smartphone ou portátil as seguintes áreas: "Turismo, cursos técnicos e tecnológicos de média duração e novas línguas como o mandarim e o espanhol." Estas são algumas das tendências do mercado que já se notam no presente, referidas ao DN pela diretora da feira de ofertas educativas Futurália, cuja 11.ª edição arranca hoje na FIL, em Lisboa. Modelos de vida como Madjer, o campeão do mundo de Futebol de Praia (ver entrevista), o músico de hip hop NBC ou o jovem Matheus Dantas - que aos 19 anos organizou o 1.º congresso online sobre a arte de velejar - vão dar o seu testemunho na Dream Conference, que se realiza na sexta-feira.

Mas há mais motivos de interesse para quem visitar o evento. Este ano, a Futurália alarga o seu campo de ação aos jovens e adultos desempregados, com idades entre os 18 e os 45 anos, e também aos adultos que procuram uma mudança na carreira. "Este ano, pela primeira vez, vamos ter o Espaço Emprego e Empregabilidade, que vai decorrer apenas na próxima sexta-feira e no sábado, com a presença de empresas de recursos humanos e empregadores. É um esforço da organização para cruzar a procura e a oferta no mercado de trabalho e onde se vão realizar algumas ações para capacitar os jovens e adultos a usarem competências transversais."

E é neste espaço que vão acontecer as sessões de pitching (despertar o interesse do empregador pelo que tem para mostrar), coaching (método para desenvolver o seu potencial máximo) ou soft skills (atitudes e comportamentos que facilitam a relação com os outros). Todos estes termos anglo-saxónicos se traduzem, segundo Alzira Ferreira, no "saber usar várias competências". Vamos a exemplos concretos. "Os jovens usam e abusam das redes sociais. Mas é necessário que as usem com cuidado na perspetiva de emprego. Vamos capacitar os jovens a usar as redes sociais como ferramentas, potenciando ali o seu perfil de candidato seja em que área for", explica a diretora da Futurália.

No evento vão estar presentes 500 escolas, faculdades e empresas. As novas gerações têm de olhar para o mercado de trabalho na perspetiva de um mundo global. "Já não basta só saber falar inglês. Hoje em dia já estamos na fase de ter o espanhol como segunda língua e de aprender o mandarim. Ouvi alguém dizer que falar sete línguas no futuro seria o normal e é verdade", sublinha Alzira Ferreira.

Vai ser também importante "misturar cursos e conhecimentos, aliar as novas tecnologias à arte e à história, por exemplo".

No espaço da FIL haverá um Fórum dedicado a "Educação, Património e Conhecimento" e também o Futurália Cult, uma mostra de projetos de dança, teatro, música, artesanato, desenvolvidos pelos alunos do ensino superior, secundário e profissional, de escolas de todo o país.

Em 11 anos de edição, Alzira Ferreira diz já ter tido o "privilégio" de se cruzar em reuniões de trabalho com "jovens empreendedores que escolheram o curso e a faculdade na Futurália".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.