O dia em que o PS fez um "25 de abril" com a ajuda do PSD

Numa terra onde o PS nunca ganhou eleições, a noite de domingo foi de mudança.

Num cartaz à entrada da vila, o candidato do PS que no domingo ganhou as eleições autárquicas mostra o caminho: "melhor avançar", feito slogan de campanha, resumida a meia dúzia de outdoors, um carro de som, um jantar de apoio e os panfletos do costume. Mas ali, naquele concelho a norte do distrito de Leiria, desta vez nada foi como de costume. O PS ganhou as eleições, facto inédito na história do poder local. Não admira por isso que entre os apoiantes de António José Domingues (que todos tratam por Tozé) o feito seja considerado em larga escala: "isto aqui foi o nosso 25 de Abril!"

Num distrito que até agora era um verdadeiro bastião laranja (suplantando até Viseu, por vezes, em legislativas, mesmo que isso nem sempre chegue ao palco mediático), o concelho de Ansião foi a surpresa da noite eleitoral. Mas apenas para quem não acompanhou de perto os últimos meses. Tozé Domingues, contabilista, 53 anos, socialista e natural da freguesia de Santiago da Guarda, fez todo um percurso de derrotas eleitorais até alcançar a vitória nestas autárquicas. Em 2009, perdera a Câmara "por muitos votos", quando se candidatou contra Rui Rocha, o atual presidente, também líder da distrital de Leiria do PSD. Só que, contra todas as expetativas,

Rocha anunciou cedo que não pretendia candidatar-se ao terceiro mandato em Ansião, abrindo caminho ao regresso de Fernando Marques, um dos históricos autarcas reaparecidos . Numa terra onde o PSD sempre ganhou tudo, parecia fácil o regresso à Câmara, depois de uma temporada como deputado na Assembleia da República. Só que o eleitorado trocou-lhe as voltas. À semelhança do que aconteceu por todo o país (exceção de Oeiras) os "dinossauros" perderam.

A revolução em marcha

Pelas ruas da vila, neste outubro comparado a abril, os poucos habitantes que se demoram nos cafés depois da bica do almoço são unânimes na análise política: "o Fernando Marques já tinha lá estado na Câmara 20 anos, já teve o tempo dele. Agora vamos dar oportunidade ao Tozé".

A vila é pequena, o concelho tem 11.670 eleitores inscritos, repartidos entre seis freguesias) e uma abstenção inferior à média nacional. No domingo passado, 63% da população (envelhecida, como em todo o interior) foi às urnas. O candidato do PS derrotou o do PSD por cerca de 600 votos. CDS e CDU também se candidatavam, mas a residual votação não chegou para eleger ninguém.

De modo que era um combate entre dois homens que estava em causa, um com vontade de fazer a "(r)evolução em marcha" - como anunciavam as camisolas da campanha, com o símbolo do PS a branco, sobre um fundo azul; outro disposto a voltar. Mas o mundo mudou, entretanto, como aponta Augusto Trino, natural da freguesia de Alvorge, enquanto reparte as cartas à mesa de um café no centro da vila. "Isto já era desejado há muito tempo, agora foi como se aqui aparecesse D. Sebastião. Também lhe digo que, se o candidato do PSD fosse o atual presidente, não era desta maneira".

E essa é uma certeza que nem o vencedor ignora. Tozé Domingues encontra-se com o DN a seguir ao almoço tardio. Dormiu duas horas, ainda mal acredita que dentro de poucas semanas será ele o presidente da Câmara. Mas naquela manhã já se encontrou com o autarca em funções e agendaram a tomada de posse. No dia anterior, foi o próprio Rui Rocha (companheiro benfiquista) quem lhe ligou a sugerir o resultado final, quando conhecida a votação da mesa de Ameixeira, na freguesia de Chão de Couce. "Normalmente quem ganha ali, naquela mesa de voto, ganha as eleições. E eu ganhei. Mesmo assim preferi esperar pelos resultados todos", recorda o vencedor, ele que foi o candidato improvável do PS, substituindo na corrida Teresa Fernandes, que por razões de saúde se afastou. "Em fevereiro, percebendo que o candidato do PSD era o Fernando Marques, fiz uma reflexão e admiti que podíamos ter finalmente alguma hipótese. Se fosse contra o Rui Rocha, não teria sido assim. Ele fez um excelente mandato", admite o sucessor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.