O construtor, a padeira, o segurança e as questões que os afligem

A madrugada. Nas horas que antecedem a abertura de portas do Congresso do PS há um mundo de gente a trabalhar para que os socialistas possam discutir o futuro. Não têm voz no palco, mas têm ideias sobre aquilo que o país precisa de discutir. Esta é a primeira reportagem de uma série de quatro sobre o encontro que não se vê

Ziiiiim pum. Ziiiiim pum. É noite cerrada e estão dez homens a trabalhar no interior do ExpoSalão da Batalha, onde hoje arranca o 22.º Congresso do Partido Socialista. Estão a montar as mesas para os congressistas numa cadência perfeita: primeiro arrastam os tampos de madeira sobre uma estrutura metálica, depois pousam-nos com estrondo sobre os encaixes que os vão segurar. Ziiiiim pum. Ziiiiim pum. "Há mais de 20 anos que faço congressos e campanhas do PS", diz Marco Carvalho, 43. "Mas tenho sérias dúvidas de que continue outros 20 a fazer isso. E se calhar era isto que o país devia estar a discutir."

Na madrugada que antecede a abertura de portas há um mundo de gente a trabalhar para que os militantes socialistas possam pensar o país e os próximos anos de governação. Nenhuma destas pessoas vai subir ao palco, ninguém aqui vai discursar ou influenciar o mundo. Mas isso não quer dizer que não estejam preocupadas. Estão.

Marco, portuense, trouxe o filho pela primeira vez para o ajudar nas montagens. Daniel tem 21, começou a tirar Direito na universidade, mas há um par de anos decidiu desistir. "Na geração dos meus pais ir para a faculdade era importante, mas vejo os meus colegas hoje a trabalhar em caixas de supermercado." Ele instala reclames luminosos, é ofício que em meses bons dá dois mil euros limpos.

Agora veio fazer este biscate, são mais uns trocos na carteira. "A época dos contratos de trabalho acabou", diz o rapaz e o pai anui enquanto se agarra a outro tampo de mesa. Ziiiiim pum. Ziiiiim pum. Marco larga a tábua mas pega na palavra. "Como sociedade devíamos estar preocupados com o futuro do trabalho, não devíamos? É que não vejo ninguém a parar para pensar nisto."

Por um lado há a tecnologia - e essa vai fazer que trabalhos como o do pai passem a ser executados por máquinas. Depois há a desvalorização do conhecimento e a precariedade que continua a ser o fado dos que estudaram. "Como é que os portugueses vão ganhar a vida daqui a uma década ou duas?", pergunta o progenitor enquanto se agarra a outro tampo de mesa. Ziiiiim pum. Ziiiiim pum.

Pão, pão, queijo, queijo

A madrugada inteira passou-a Fátima Neves a levar pão ao forno para alimentar os congressistas que começam hoje a chegar à Batalha. São mais 1500 carcaças além das 300 que coze diariamente no seu restaurante (A Grelha, em Leiria). No início do ano ganhou a concessão do bar do ExpoSalão e agora tem uma prova de fogo. É preciso que não falte comida a quem decide o país.

Para este fim de semana contratou oito novos empregados e orgulha-se de dizer que a todos ofereceu contrato de trabalho, ordenados acima da média, descontos em dia. "Tenho uma casa aberta há 19 anos e quase todos estão comigo desde o início. São empenhados. Sabe porquê? Porque são valorizados e tratados com dignidade."

Era isto que Fátima gostava de ver discutido no palanque: a distribuição da riqueza. "Sou empresária e custa-me muito entender o nível de disparidade salarial neste país. Depois de uma crise terrível na restauração, o turismo trouxe-nos agora um balão de oxigénio. No verão dei prémios aos meus funcionários, repartindo os lucros. Guardar tudo para mim seria absolutamente injusto."

É por isso que não percebe como um dos países ocidentais onde o índice de desigualdade é maior não está obcecado em combater essa chaga social. "Criem-se leis, impeçam-se os administradores de ganhar dez vezes mais do que os funcionários", vaticina ao mesmo tempo que compõe nova fornada. Para a padeira do congresso, a expectativa do fim de semana tem de ser a do país: pão para todos.

Um país mesmo país

Já a noite vai avançada quando toda a gente abandona o pavilhão. Carlos Soledade, 41 anos, é o único que fica para trás - e ali permanecerá toda a noite a guardar o forte. É o segurança privado do ExpoSalão. "A única coisa que tenho de fazer é garantir que, quando os congressistas chegarem, continua tudo direitinho para eles poderem tratar das coisas deles."

Cresceu no bairro J de Chelas mas há mais de duas décadas que vive numa aldeia de Santarém. "Fui militar durante dez anos, estive em Timor, amo Portugal mas estou muito preocupado com ele. É que nós estamos a deixar de ter um país para ter só meio."

Ser segurança não estava nos planos, o que ele queria mesmo era comprar uns hectares de terreno e cultivá--los. "Mas como é que eu posso fazer isso quando não há escoamento, quando a agricultura vive uma ditadura de preços imposta pelos supermercados, quando o Estado continua a retirar os serviços das zonas que mais precisam deles?"

Diz que os incêndios do ano passado foram uma lição, sim, mas que este é o tempo da oportunidade. De pensar no território e geri-lo melhor. "Para que serve um congresso?", pergunta o homem com a conversa avançada noite dentro. "É para pensar como é que se faz de um país um país, não é?"

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.