O brexit "objetivamente é uma vantagem" para Portugal e Espanha

Marcelo Rebelo de Sousa fala em "momento sem igual" nas relações entre os doís países ibéricos

Falando com os jornalistas no Palácio do Pardo, que o acolherá por estes dias, Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que a saída do Reino Unido da União Europeia reforça o peso das línguas de Portugal e de Espanha, já se si em crescimento no mundo, no espaço comunitário europeu.

Saindo o Reino Unido da UE, os dois países ibéricos reforçarão o seu "peso singular" que já têm, reforçou o Presidente da República.

Para Marcelo, Portugal e Espanha vivem "um momento sem igual" nas suas relações bilaterais (politicas, económicas e culturais, sobretudo, segundo enfatizou).

Neste contexto, disse que os dois países não podem ter "ciúmes" um do outro quando, por exemplo, a economia espanhola cresce no espaço da lusofonia e a economia portuguesa cresce no espaço ibero-americano.

Ao mesmo tempo, acrescentou que esta é a décima vez que, enquanto Presidente da República, se encontra com Filipe VI.

Sobre a Catalunha, recusou comentários dizendo que essa é uma "questão interna" de Espanha

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.