O brexit "objetivamente é uma vantagem" para Portugal e Espanha

Marcelo Rebelo de Sousa fala em "momento sem igual" nas relações entre os doís países ibéricos

Falando com os jornalistas no Palácio do Pardo, que o acolherá por estes dias, Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que a saída do Reino Unido da União Europeia reforça o peso das línguas de Portugal e de Espanha, já se si em crescimento no mundo, no espaço comunitário europeu.

Saindo o Reino Unido da UE, os dois países ibéricos reforçarão o seu "peso singular" que já têm, reforçou o Presidente da República.

Para Marcelo, Portugal e Espanha vivem "um momento sem igual" nas suas relações bilaterais (politicas, económicas e culturais, sobretudo, segundo enfatizou).

Neste contexto, disse que os dois países não podem ter "ciúmes" um do outro quando, por exemplo, a economia espanhola cresce no espaço da lusofonia e a economia portuguesa cresce no espaço ibero-americano.

Ao mesmo tempo, acrescentou que esta é a décima vez que, enquanto Presidente da República, se encontra com Filipe VI.

Sobre a Catalunha, recusou comentários dizendo que essa é uma "questão interna" de Espanha

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".