Nutricionistas querem fiscalização aos bares dos hospitais

A Ordem dos Nutricionistas pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde que faça uma auditoria aos bares, cafetarias bufetes do Serviço Nacional de Saúde

O objetivo da Ordem é que seja verificado se estes serviços estão a cumprir o despacho que limita a venda de produtos com altos teores de sal, açúcar e gorduras nestes locais. O anúncio deste pedido de fiscalização surge na véspera de terminar o prazo para que os bares, cafetarias e bufetes se adaptem à legislação que entra em vigor no domingo, 1 de julho.

Num comunicado divulgado esta manhã, a Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, defende que "esta inspeção é essencial para verificarmos se existe, de facto, uma melhoria na oferta alimentar nos bares do SNS, conforme definido legalmente".

O despacho em que se estabelecem os prazos para os espaços se adaptarem à legislação foi publicado a 28 de dezembro de 2017 e estipulava seis meses para a adaptação. Findo este prazo - o que acontece este sábado, 30 de junho - produtos como doces, refrigerantes, salgados e refeições rápidas ou com molhos, por exemplo, já não deverão integrar a oferta disponibilizada. O que já acontece, por exemplo, no Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa.

A Bastonária recorda que em Portugal "temos sérios erros alimentares e que existe uma forte evidência científica de que a alimentação é um dos principais fatores modificáveis que mais contribui para a mortalidade e morbilidade dos cidadãos" pelo que "a execução e monitorização destas medidas, que em si são bastante positivas, deverão ser consideradas uma prioridade, de modo a que a legislação surta efeitos concretos na melhoria da saúde da população".

Recorde-se que em setembro de 2016 o governo emitiu um despacho que proibia alimentos prejudiciais à saúde disponíveis nas máquinas de venda automática e que, nesse mesmo sentido, a Ordem dos Nutricionistas solicitou igualmente, em outubro de 2017, uma inspeção à IGAS, resultados que ainda não são conhecidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.