Nutricionistas querem fiscalização aos bares dos hospitais

A Ordem dos Nutricionistas pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde que faça uma auditoria aos bares, cafetarias bufetes do Serviço Nacional de Saúde

O objetivo da Ordem é que seja verificado se estes serviços estão a cumprir o despacho que limita a venda de produtos com altos teores de sal, açúcar e gorduras nestes locais. O anúncio deste pedido de fiscalização surge na véspera de terminar o prazo para que os bares, cafetarias e bufetes se adaptem à legislação que entra em vigor no domingo, 1 de julho.

Num comunicado divulgado esta manhã, a Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, defende que "esta inspeção é essencial para verificarmos se existe, de facto, uma melhoria na oferta alimentar nos bares do SNS, conforme definido legalmente".

O despacho em que se estabelecem os prazos para os espaços se adaptarem à legislação foi publicado a 28 de dezembro de 2017 e estipulava seis meses para a adaptação. Findo este prazo - o que acontece este sábado, 30 de junho - produtos como doces, refrigerantes, salgados e refeições rápidas ou com molhos, por exemplo, já não deverão integrar a oferta disponibilizada. O que já acontece, por exemplo, no Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa.

A Bastonária recorda que em Portugal "temos sérios erros alimentares e que existe uma forte evidência científica de que a alimentação é um dos principais fatores modificáveis que mais contribui para a mortalidade e morbilidade dos cidadãos" pelo que "a execução e monitorização destas medidas, que em si são bastante positivas, deverão ser consideradas uma prioridade, de modo a que a legislação surta efeitos concretos na melhoria da saúde da população".

Recorde-se que em setembro de 2016 o governo emitiu um despacho que proibia alimentos prejudiciais à saúde disponíveis nas máquinas de venda automática e que, nesse mesmo sentido, a Ordem dos Nutricionistas solicitou igualmente, em outubro de 2017, uma inspeção à IGAS, resultados que ainda não são conhecidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.