Nuno Melo pondera liderança: "Anuncio decisão na próxima semana"

Os militantes centristas vão escolher o próximo líder no congresso que deverá realizar-se em meados de abril. Nuno Melo já tem uma vaga de fundo de apoio e está a "ponderar

Nuno Melo é cada vez mais consensual nas bases e na direção do partido e está a um passo de avançar para a liderança do CDS. "Estou a ponderar e anunciarei a minha decisão na próxima semana", assumiu o dirigente centrista ao DN, quando confrontado com as informações que dão conta da "vaga de fundo" que está a crescer no CDS, para apoiar o eurodeputado na sucessão a Paulo Portas.

Nuno Melo é neste momento o preferido entre os vice-presidentes do CDS-PP. "Mas se ele decidir avançar, nunca será contra Assunção Cristas, assim como se Cristas avançar terá sempre o apoio do Nuno Melo", sublinha um destes dirigentes ao DN. O que todos estes responsáveis partidários fizeram questão em frisar é que "não haverá jamais uma guerra à sucessão, nem conflitos entre os vice-presidentes. Quando se considerar que estão reunidas as condições para alguém assumir a candidatura à liderança, terá o apoio de todos".

Um dos vice-presidentes assinalou que Melo "tem o apoio do partido e sempre foi considerado como o mais provável sucessor de Portas". Outro dirigente do núcleo duro da direção do partido sublinha que o eurodeputado "nem precisa de contar espingardas, pois sabe que tem todas com ele. Tem a cabeça a vaga de fundo. A questão é saber se ele quer", sublinhou outro dirigente.

João Almeida, um dos vice-presidentes e um dos nomes que tinha sido indicado como potencial candidato à liderança, mas que já se autoexcluiu, não quis indicar ainda o seu apoio, remetendo para o congresso do partido, que se deverá realizar em abril, "a decisão dos militantes". "Não havia uma sucessão preparada. Felizmente Paulo Portas preocupou-se mais em deixar uma geração política de gente com muita capacidade, do que com a sucessão. É esta geração que terá a liberdade de escolher o seu líder. Estamos a lidar com esta questão com muita calma", garante este dirigente.

Ontem o vice-presidente e porta-voz da comissão executiva do CDS, Filipe Lobo D"Ávila, manifestou, na sua página do Facebook, o apoio a Nuno Melo. "Muito tem sido dito sobre o futuro do CDS. Já há moções anunciadas, mas não há ainda candidatos. Não há ainda candidatos e as preferências já são para todos os gostos. Em semana de Conselho Nacional eu manifesto a minha: Nuno Melo. Não sei se o será, mas o CDS ficaria muito bem entregue", declarou.

Amanhã realiza-se o Conselho Nacional do CDS, no qual será marcada a data do Congresso e aprovados os regulamentos para a eleição dos delegados.

Tudo nas mãos de Melo

Está tudo nas mãos de Melo. Todos os dias chegam apoios e pressões para avançar. Tudo se conjuga para que o eurodeputado seja candidato (e favorito) à sucessão de Portas.

Acontece que a saída do atual líder deixou Melo surpreendido. O primeiro vice-presidente tinha planeado terminar o mandato em Bruxelas (até 2019). A nível pessoal e profissional (neste caso político) só por essa altura o centrista contava ter de ponderar se avançava para a liderança do CDS.

Melo não previa abdicar do trabalho em Bruxelas e, segundo fonte próxima, não pondera ficar como líder e eurodeputado. "Só aconteceu uma vez na história do partido, com Ribeiro e Castro, e não foi feliz. Repetir o erro seria péssimo. E Melo tem consciência disso", referiu a mesma fonte.

Quanto ao handicap de não estar no Parlamento, esse pode ser resolvido. Melo era o último suplente da lista da coligação PSD/CDS por Braga. Basta que um dos efetivos (Telmo Correia ou Vânia Dias da Silva) e as duas centristas que se seguem na lista abdicarem e Melo poderá ser deputado. É tecnicamente possível e assim poderia fazer oposição no Parlamento. Portas abertas para Melo.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.