Nuno Melo pondera liderança: "Anuncio decisão na próxima semana"

Os militantes centristas vão escolher o próximo líder no congresso que deverá realizar-se em meados de abril. Nuno Melo já tem uma vaga de fundo de apoio e está a "ponderar

Nuno Melo é cada vez mais consensual nas bases e na direção do partido e está a um passo de avançar para a liderança do CDS. "Estou a ponderar e anunciarei a minha decisão na próxima semana", assumiu o dirigente centrista ao DN, quando confrontado com as informações que dão conta da "vaga de fundo" que está a crescer no CDS, para apoiar o eurodeputado na sucessão a Paulo Portas.

Nuno Melo é neste momento o preferido entre os vice-presidentes do CDS-PP. "Mas se ele decidir avançar, nunca será contra Assunção Cristas, assim como se Cristas avançar terá sempre o apoio do Nuno Melo", sublinha um destes dirigentes ao DN. O que todos estes responsáveis partidários fizeram questão em frisar é que "não haverá jamais uma guerra à sucessão, nem conflitos entre os vice-presidentes. Quando se considerar que estão reunidas as condições para alguém assumir a candidatura à liderança, terá o apoio de todos".

Um dos vice-presidentes assinalou que Melo "tem o apoio do partido e sempre foi considerado como o mais provável sucessor de Portas". Outro dirigente do núcleo duro da direção do partido sublinha que o eurodeputado "nem precisa de contar espingardas, pois sabe que tem todas com ele. Tem a cabeça a vaga de fundo. A questão é saber se ele quer", sublinhou outro dirigente.

João Almeida, um dos vice-presidentes e um dos nomes que tinha sido indicado como potencial candidato à liderança, mas que já se autoexcluiu, não quis indicar ainda o seu apoio, remetendo para o congresso do partido, que se deverá realizar em abril, "a decisão dos militantes". "Não havia uma sucessão preparada. Felizmente Paulo Portas preocupou-se mais em deixar uma geração política de gente com muita capacidade, do que com a sucessão. É esta geração que terá a liberdade de escolher o seu líder. Estamos a lidar com esta questão com muita calma", garante este dirigente.

Ontem o vice-presidente e porta-voz da comissão executiva do CDS, Filipe Lobo D"Ávila, manifestou, na sua página do Facebook, o apoio a Nuno Melo. "Muito tem sido dito sobre o futuro do CDS. Já há moções anunciadas, mas não há ainda candidatos. Não há ainda candidatos e as preferências já são para todos os gostos. Em semana de Conselho Nacional eu manifesto a minha: Nuno Melo. Não sei se o será, mas o CDS ficaria muito bem entregue", declarou.

Amanhã realiza-se o Conselho Nacional do CDS, no qual será marcada a data do Congresso e aprovados os regulamentos para a eleição dos delegados.

Tudo nas mãos de Melo

Está tudo nas mãos de Melo. Todos os dias chegam apoios e pressões para avançar. Tudo se conjuga para que o eurodeputado seja candidato (e favorito) à sucessão de Portas.

Acontece que a saída do atual líder deixou Melo surpreendido. O primeiro vice-presidente tinha planeado terminar o mandato em Bruxelas (até 2019). A nível pessoal e profissional (neste caso político) só por essa altura o centrista contava ter de ponderar se avançava para a liderança do CDS.

Melo não previa abdicar do trabalho em Bruxelas e, segundo fonte próxima, não pondera ficar como líder e eurodeputado. "Só aconteceu uma vez na história do partido, com Ribeiro e Castro, e não foi feliz. Repetir o erro seria péssimo. E Melo tem consciência disso", referiu a mesma fonte.

Quanto ao handicap de não estar no Parlamento, esse pode ser resolvido. Melo era o último suplente da lista da coligação PSD/CDS por Braga. Basta que um dos efetivos (Telmo Correia ou Vânia Dias da Silva) e as duas centristas que se seguem na lista abdicarem e Melo poderá ser deputado. É tecnicamente possível e assim poderia fazer oposição no Parlamento. Portas abertas para Melo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.