Nuno Melo pondera liderança: "Anuncio decisão na próxima semana"

Os militantes centristas vão escolher o próximo líder no congresso que deverá realizar-se em meados de abril. Nuno Melo já tem uma vaga de fundo de apoio e está a "ponderar

Nuno Melo é cada vez mais consensual nas bases e na direção do partido e está a um passo de avançar para a liderança do CDS. "Estou a ponderar e anunciarei a minha decisão na próxima semana", assumiu o dirigente centrista ao DN, quando confrontado com as informações que dão conta da "vaga de fundo" que está a crescer no CDS, para apoiar o eurodeputado na sucessão a Paulo Portas.

Nuno Melo é neste momento o preferido entre os vice-presidentes do CDS-PP. "Mas se ele decidir avançar, nunca será contra Assunção Cristas, assim como se Cristas avançar terá sempre o apoio do Nuno Melo", sublinha um destes dirigentes ao DN. O que todos estes responsáveis partidários fizeram questão em frisar é que "não haverá jamais uma guerra à sucessão, nem conflitos entre os vice-presidentes. Quando se considerar que estão reunidas as condições para alguém assumir a candidatura à liderança, terá o apoio de todos".

Um dos vice-presidentes assinalou que Melo "tem o apoio do partido e sempre foi considerado como o mais provável sucessor de Portas". Outro dirigente do núcleo duro da direção do partido sublinha que o eurodeputado "nem precisa de contar espingardas, pois sabe que tem todas com ele. Tem a cabeça a vaga de fundo. A questão é saber se ele quer", sublinhou outro dirigente.

João Almeida, um dos vice-presidentes e um dos nomes que tinha sido indicado como potencial candidato à liderança, mas que já se autoexcluiu, não quis indicar ainda o seu apoio, remetendo para o congresso do partido, que se deverá realizar em abril, "a decisão dos militantes". "Não havia uma sucessão preparada. Felizmente Paulo Portas preocupou-se mais em deixar uma geração política de gente com muita capacidade, do que com a sucessão. É esta geração que terá a liberdade de escolher o seu líder. Estamos a lidar com esta questão com muita calma", garante este dirigente.

Ontem o vice-presidente e porta-voz da comissão executiva do CDS, Filipe Lobo D"Ávila, manifestou, na sua página do Facebook, o apoio a Nuno Melo. "Muito tem sido dito sobre o futuro do CDS. Já há moções anunciadas, mas não há ainda candidatos. Não há ainda candidatos e as preferências já são para todos os gostos. Em semana de Conselho Nacional eu manifesto a minha: Nuno Melo. Não sei se o será, mas o CDS ficaria muito bem entregue", declarou.

Amanhã realiza-se o Conselho Nacional do CDS, no qual será marcada a data do Congresso e aprovados os regulamentos para a eleição dos delegados.

Tudo nas mãos de Melo

Está tudo nas mãos de Melo. Todos os dias chegam apoios e pressões para avançar. Tudo se conjuga para que o eurodeputado seja candidato (e favorito) à sucessão de Portas.

Acontece que a saída do atual líder deixou Melo surpreendido. O primeiro vice-presidente tinha planeado terminar o mandato em Bruxelas (até 2019). A nível pessoal e profissional (neste caso político) só por essa altura o centrista contava ter de ponderar se avançava para a liderança do CDS.

Melo não previa abdicar do trabalho em Bruxelas e, segundo fonte próxima, não pondera ficar como líder e eurodeputado. "Só aconteceu uma vez na história do partido, com Ribeiro e Castro, e não foi feliz. Repetir o erro seria péssimo. E Melo tem consciência disso", referiu a mesma fonte.

Quanto ao handicap de não estar no Parlamento, esse pode ser resolvido. Melo era o último suplente da lista da coligação PSD/CDS por Braga. Basta que um dos efetivos (Telmo Correia ou Vânia Dias da Silva) e as duas centristas que se seguem na lista abdicarem e Melo poderá ser deputado. É tecnicamente possível e assim poderia fazer oposição no Parlamento. Portas abertas para Melo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.