Nuno Melo anuncia decisão sobre corrida à liderança do partido na quinta-feira

Eurodeputado fará uma declaração na sede nacional do CDS às 12:00

O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo anuncia na quinta-feira a decisão sobre uma candidatura à liderança do partido, divulgou fonte oficial centrista.

Nuno Melo fará uma declaração na sede nacional do CDS, em Lisboa, pelas 12:00, sobre o 26.º Congresso, que se realizará nos dias 12 e 13 de março e será eletivo da liderança dos centristas.

O vice-presidente centrista e eurodeputado assumiu que estava num processo de reflexão sobre uma candidatura à presidência do partido, após Paulo Portas ter anunciado que não se recandidatava, no final do ano.

A também vice-presidente do partido Assunção Cristas deverá esclarecer uma eventual candidatura à liderança nos próximos dias, de acordo com fontes ouvidas pela Lusa.

Em maio do ano passado, a então ministra da Agricultura deixou nota da sua disponibilidade para liderar os centristas, numa entrevista ao jornal 'online' Observador: "Para mim foi claro que estaria ao serviço do partido para aquilo que fosse necessário. Se for necessária para isso [liderança], também estarei", afirmou.

Três dias depois de Paulo Portas anunciar que não se recandidatava, Nuno Melo referiu-se às muitas "mensagens de incentivo e apoio recebidas" a "propósito do momento que se vive no CDS", numa mensagem deixada na sua página da rede social Facebook, na qual acrescentava que, independentemente daquela que viesse a ser a sua decisão, se sentia "profundamente grato e honrado".

Paulo Portas anunciou no dia 28 de dezembro perante a comissão política do partido que não se recandidataria à liderança. Aos jornalistas, nessa noite, manifestou-se confiante na nova geração a quem vai passar o testemunho, prometendo isenção na escolha do seu sucessor e revelando que sairia mesmo que o Governo com o PSD tivesse continuado em funções.

"O partido fará com total isenção da minha parte uma escolha de futuro, que deve ter a toda liberdade para se afirmar", declarou, manifestando "uma grande nova esperança na nova geração do CDS", à qual "chegou o tempo de, num ciclo político novo, dar grandes responsabilidades".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.