Nuno Melo anuncia decisão sobre corrida à liderança do partido na quinta-feira

Eurodeputado fará uma declaração na sede nacional do CDS às 12:00

O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo anuncia na quinta-feira a decisão sobre uma candidatura à liderança do partido, divulgou fonte oficial centrista.

Nuno Melo fará uma declaração na sede nacional do CDS, em Lisboa, pelas 12:00, sobre o 26.º Congresso, que se realizará nos dias 12 e 13 de março e será eletivo da liderança dos centristas.

O vice-presidente centrista e eurodeputado assumiu que estava num processo de reflexão sobre uma candidatura à presidência do partido, após Paulo Portas ter anunciado que não se recandidatava, no final do ano.

A também vice-presidente do partido Assunção Cristas deverá esclarecer uma eventual candidatura à liderança nos próximos dias, de acordo com fontes ouvidas pela Lusa.

Em maio do ano passado, a então ministra da Agricultura deixou nota da sua disponibilidade para liderar os centristas, numa entrevista ao jornal 'online' Observador: "Para mim foi claro que estaria ao serviço do partido para aquilo que fosse necessário. Se for necessária para isso [liderança], também estarei", afirmou.

Três dias depois de Paulo Portas anunciar que não se recandidatava, Nuno Melo referiu-se às muitas "mensagens de incentivo e apoio recebidas" a "propósito do momento que se vive no CDS", numa mensagem deixada na sua página da rede social Facebook, na qual acrescentava que, independentemente daquela que viesse a ser a sua decisão, se sentia "profundamente grato e honrado".

Paulo Portas anunciou no dia 28 de dezembro perante a comissão política do partido que não se recandidataria à liderança. Aos jornalistas, nessa noite, manifestou-se confiante na nova geração a quem vai passar o testemunho, prometendo isenção na escolha do seu sucessor e revelando que sairia mesmo que o Governo com o PSD tivesse continuado em funções.

"O partido fará com total isenção da minha parte uma escolha de futuro, que deve ter a toda liberdade para se afirmar", declarou, manifestando "uma grande nova esperança na nova geração do CDS", à qual "chegou o tempo de, num ciclo político novo, dar grandes responsabilidades".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.