Número de turistas em Portugal é maior do que o de habitantes

Este ano deve terminar com cerca de onze milhões de visitantes estrangeiros. Eles gostam dos monumentos, do sol, da comida...

"No Castelo ponho um cotovelo. Em Alfama descanso o olhar. E assim desfaz-se o novelo de azul e mar. À Ribeira encosto a cabeça. Almofada na cama do Tejo com lençóis bordados à pressa na cambraia de um beijo." É Lisboa Menina e Moça cantada por Carlos do Carmo, a cidade portuguesa mais procurada pelos turistas. Se falarmos em regiões, o bailinho da Madeira e o corridinho do Algarve continuam a chamar mais visitantes, com o Centro e o Norte a crescerem. Portugal recebeu 7,5 milhões de estrangeiros até 30 de setembro e, mantendo-se o crescimento em relação 2013, espera-se que pela primeira vez os turistas ultrapassem o número de residentes no país, com perto de onze milhões de visitantes. Em nove meses, o número de hóspedes estrangeiros em Portugal foi mais elevado do que o total de 2011 e quase tantos como em 2012. Este ano, o Turismo de Portugal registou quatro meses com mais de um milhão de turistas mensais (maio, julho, abril e setembro), o que resultou em três vezes mais dormidas. No ano passado apenas o mês de agosto ultrapassou o milhão. Falta o último trimestre de 2014, mas são muito positivas as primeiras indicações para outubro e novembro.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.