Núcleo museológico dedicado aos Descobrimentos criado com dinheiro da taxa turística

O investimento, de cerca de seis milhões de euros, será feito na Avenida Ribeira das Naus, junto ao Tejo.

A Avenida Ribeira das Naus, em Lisboa, vai ter em 2016 um núcleo museológico dedicado aos Descobrimentos portugueses, traduzindo-se este no primeiro investimento feito pelo município com as receitas da taxa turística, disse hoje o presidente da autarquia.

O investimento, de cerca de seis milhões de euros, "será feito, em princípio, com verbas da Câmara resultantes da taxa turística e será este o primeiro investimento resultante do Fundo de Desenvolvimento e Sustentabilidade Turística de Lisboa", afirmou Fernando Medina.

O autarca falava aos jornalistas no final da cerimónia de assinatura do protocolo de formalização de interesse para a criação deste núcleo, em parceria com a Marinha Portuguesa, a Associação Turismo de Lisboa (ATL) e a Faculdade de Ciências Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa.

A criação de uma taxa turística em Lisboa foi aprovada pela Câmara em dezembro de 2014 e previa a cobrança de um euro a quem chegasse ao aeroporto ou ao porto da capital e de um euro por noite sobre as dormidas.

A metodologia de cobrança foi, no entanto, alterada e, durante este ano, a responsabilidade do pagamento será apenas da gestora de aeroportos, na sequência do acordo realizado entre o município e a ANA-Aeroportos de Portugal e que entrou em vigor no dia 01 de abril.

Este ano, a ANA vai pagar entre 3,6 e 4,4 milhões de euros, consoante os turistas que chegarem de avião, valores que já excluem os cidadãos com residência fiscal em Portugal.

De acordo com a Câmara de Lisboa, o valor da taxa reverterá para o Fundo de Desenvolvimento e Sustentabilidade Turística de Lisboa, para realizar investimentos na cidade.

"Este projeto fará nascer, na Doca Seca, num sítio onde eram construídas naus, a reprodução de uma nau, em que se mostrará como é que era construída, como é que se preparavam as viagens" marítimas realizadas entre 1415 e 1543, explicou Fernando Medina na sua intervenção.

A nau, que vai estar ali exposta, terá uma dimensão de cerca de 40 metros (maior do que as reais).

Segundo o presidente do município, este é o "primeiro passo para um projeto mais ambicioso", não de criar um grande e único museu mas, "a partir de Lisboa, [abrir] polos museológicos que estejam unidos em rede para se contar esta grande história" que foram os Descobrimentos.

O projeto, que está a ser desenvolvido pela FCSH -- através de uma unidade de investigação dedicada à expansão portuguesa e seus reflexos no mundo --, deverá estar pronto "no verão de 2016", segundo o diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Este responsável adiantou que as primeiras obras, que consistem na criação de uma estrutura de betão e da vedação da doca, começam "ainda este ano", nos meses de outubro e novembro.

Vítor Costa deu ainda conta de que "a cobertura do edifício [em vidro] será uma esplanada com quiosque".

Também presente na cerimónia, o Chefe de Estado-maior da Armada, o vice-almirante Macieira Fragoso, salientou a importância do espaço para a "difusão da história portuguesa e, em particular, da história marítima".

O Polo Descobrir, como será denominado, vai ter entradas pagas, mas ainda não se conhecem os preços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.