Novo regime das Polícias Municipais de Lisboa e Porto pronto este mês

A ministra da Administração Interna estimou esta segunda-feira que o novo regime das Polícias Municipais de Lisboa e do Porto esteja concluído este mês, visando um "reforço da intervenção" destas forças de segurança em áreas como o trânsito

"A lei exige que a Polícia Municipal de Lisboa, e (...) também a do Porto, tenha um regime diferente. Este Governo está (...) a finalizar um processo legislativo para definir tal regime, que é aguardado já desde 2004, ano em que foi publicada a lei das polícias municipais, e que esperamos que esteja terminado este mês de setembro", disse Constança Urbano de Sousa.

A ministra falava na cerimónia dos 125 anos da Polícia Municipal de Lisboa, nos Paços do Concelho, quando afirmou que se pretende que esta força, "em cooperação com a Polícia de Segurança Pública [PSP] e em termos a definir, possa ter um papel muito relevante, não apenas na fiscalização e regulação do trânsito, mas também na prevenção e segurança rodoviária, na proteção do ambiente, em programas de interesse social, em eventos de natureza social, na utilização de sistemas de monitorização rodoviária".

Estamos a trabalhar em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa para que esta Polícia Municipal tenha uma capacidade reforçada para exercer as competências que já tem

Ao todo, serão 257 os agentes da PSP que irão passar para a Polícia Municipal de Lisboa. "Esta é a instituição de onde eles vêm e onde regressarão", sublinhou a ministra.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), considerou, por seu turno, que "o acordo alcançado é (...) histórico e fundamental e que concretiza uma velha e importantíssima ambição da Câmara Municipal de Lisboa e que se traduzirá num reforço considerável dos meios humanos e técnicos da Polícia Municipal para o adequado cumprimento da sua missão".

"Ficará claro, a partir do início do próximo ano, que a Câmara Municipal de Lisboa [através da Polícia Municipal] tem funções essenciais na regulação e na fiscalização do trânsito, dotada dos meios próprios para o fazer", assinalou o autarca.

Tanto a ministra da Administração Interna como o presidente do município salientaram a "excelente coordenação de esforços" entre a autarquia e o Governo nesta matéria, mas também no que se refere ao recém-assinado contrato local de segurança.

Segundo Constança Urbano de Sousa, o objetivo desse acordo é "implementar uma abordagem multidisciplinar integral para a melhoria da segurança e da qualidade de vida dos habitantes de alguns bairros".

Fernando Medina destacou, também, o papel do município na reorganização do dispositivo da PSP na cidade de Lisboa, realçando o "empenho" da Câmara na "elaboração conjunta dos projetos e das infraestruturas que vierem a ser necessárias".

"Sentimos que temos essa responsabilidade. E temos, felizmente, hoje essas disponibilidades para podermos mais rapidamente apoiar a concretização da efetivação do novo dispositivo de equipamentos e esquadras na cidade", referiu, defendendo que a reorganização, que envolve o fecho de esquadras, permitirá ter agentes "melhor distribuídos no território da cidade de Lisboa" e "mais disponíveis para as ações do território".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.