Nove por cento das crianças nascidas em Portugal em 2016 são de mulheres estrangeiras

Este dado contribui para o abrandamento do envelhecimento demográfico em Portugal, adianta o relatório do Observatório das Migrações

As mulheres de nacionalidade estrangeira foram responsáveis em 2016 por cerca de 9% do total dos nados-vivos em Portugal, continuando os imigrantes a incrementar o volume de nascimentos no país, segundo um relatório estatístico hoje divulgado.

Este dado, adianta o relatório do Observatório das Migrações, contribui para o abrandamento do envelhecimento demográfico em Portugal.

O relatório estatístico anual de 2017 sobre indicadores de integração de imigrantes refere que esta percentagem é particularmente significativa face ao facto de que a população estrangeira apenas representava 3,9% do total da população residente em Portugal em 2016.

Em 2017, nasceram com vida 86.154 crianças de mães residentes em Portugal, menos 972 crianças relativamente ao ano anterior, o que representa um decréscimo de 1,1%

Quando os resultados da taxa de natalidade feminina para o ano de 2016 são comparados, acrescenta o documento, conclui-se que as mulheres de nacionalidade estrangeira têm uma taxa superior (37,5) à das mulheres portuguesas (14,6), com efeitos positivos para o reforço do grupo etário mais jovem da estrutura etária.

Os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística, divulgados em abril deste ano, indicavam que a população em Portugal diminuiu em 2017 pelo nono ano consecutivo.

Segundo as "Estatísticas Vitais", do Instituto Nacional de Estatística (INE), Portugal teve um saldo natural negativo de 23.432 pessoas.

Em 2017, nasceram com vida 86.154 crianças de mães residentes em Portugal, menos 972 crianças relativamente ao ano anterior, o que representa um decréscimo de 1,1%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.