Nove distritos sob aviso amarelo devido a chuva e trovoada

Nebulosidade vai aumentar a partir do início da tarde

Nove distritos de Portugal continental estão esta sexta-feira sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros e trovoadas, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o Instituto, os distritos de Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Évora e Beja vão estar sob aviso amarelo entre as 12:00 e as 21:00 de hoje devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes, de granizo e acompanhados de trovoada.

O aviso amarelo é emitido sempre que há situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê para hoje no continente céu em geral pouco nublado, aumentando temporariamente de nebulosidade a partir do início da tarde e condições favoráveis à ocorrência de aguaceiros, que poderão ser por vezes fortes, de granizo e acompanhados de trovoada, em especial durante a tarde e nas regiões do interior.

A previsão aponta ainda para vento em geral fraco predominando do quadrante leste, sendo temporariamente do quadrante sul na região Sul e de noroeste no litoral Norte e Centro, e soprando moderado nas terras altas até meio da manhã e para o final do dia.

Está também prevista neblina ou nevoeiro matinal, em especial no litoral oeste a sul do Cabo Mondego e pequena descida da temperatura máxima.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 09 graus Celsius (na Guarda) e os 16 (no Porto) e as máximas entre os 17 (na Guarda) e os 28 (em Santarém).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.