Novas regras davam bolsa a mais 5000 estudantes do ensino superior

Comissão composta pelo Ministério da Educação, reitores, presidentes de politécnicos e universidades privadas e alunos apresentou 22 alterações ao atual regime de bolsas.

Telma Meireles perdeu este ano o direito à bolsa de 100 euros mensais (correspondente à bolsa mínima) porque os rendimentos do pai passaram ligeiramente o limite imposto na lei. Ora, se as propostas para mudar a atribuição das bolsas, entregues ontem ao secretário de Estado do Ensino Superior, forem aprovadas a aluna de Animação do Politécnico de Leiria voltará a receber no próximo ano o apoio financeiro que lhe permitia pagar a propina. Ela e cerca de cinco mil alunos, segundo as estimativas do grupo de trabalho. Até agora, 61 522 alunos estão a receber bolsa neste ano letivo.

A proposta de aumentar o valor do rendimento a partir do qual um aluno perde direito à bolsa de estudo faz parte de um conjunto de 22 alterações "consideradas transversais e consensuais", entregues ontem pela comissão para a revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior, ao secretário de Estado da tutela, José Ferreira Gomes. Este grupo é composto por elementos do próprio Ministério da Educação e Ciência (MEC), universidades, politécnicos, instituições privadas e associações de estudantes. As medidas propostas visam "aumentar os apoios e diminuir a desigualdade entre os estudantes", explicou ao DN Daniel Freitas, presidente da Federação Académica do Porto e membro deste grupo de trabalho.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."