"Novas formas de mobilidade são essenciais para aumentar as soluções"

Presidente da Câmara de Lisboa considera que sistemas de car sharing, bicicletas ou scooters partilhadas são completares da rede de transportes públicos. Mas não são a solução para os problemas

Fernando Medina acredita que as novas soluções de mobilidade criadas dentro das cidades, como os carros, bicicletas ou motas partilhadas, "são essenciais para aumentar as soluções e combinar a mobilidade com os transportes públicos, mas não são a solução para o problema". O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) falava durante o encerramento da conferência Cidades e Mobilidade, do ciclo de conferências que assinala os 153 anos do Diário de Notícias e que estão a decorrer até à próxima quinta-feira, no Centro Cultural de Belém.

O autarca reconheceu que os problemas de mobilidade na capital têm de ser resolvidos ao nível da Área Metropolitana de Lisboa (AML), uma vez que é aí que reside a maior parte das pessoas que todos os dias trazem cerca de 370 mil carros para a cidade. "É preciso resolver o problema da Linha de Cascais, mas já estamos a chegar tão tarde que a maior parte das pessoas já mora mais perto da A5 do que da linha do comboio e vão ser precisas ligações de transportes públicos até à linha", exemplifica.

Os aspetos da mobilidade "vão ser centrais nos próximos quatro anos", garantiu Fernando Medina. O principal foco é retirar carros da cidade e aumentar os transportes públicos. Onde também estão incluídos novos serviços: "Se calhar não faz sentido ter um autocarro de cinco em cinco minutos nas ligações entre bairros, às 23.00, mas um serviço de mini bus on demand, que se peça, já pode ser rentável para servir essas populações a essa hora."

Fernando Medina sublinhou ainda que as novas modas de mobilidade não são "o alfa e o ómega" para resolver os problemas. "Temos que ter transportes elétricos, porque são mais sustentáveis, mas não podem ser transportes individuais. As bicicletas, motas e carros partilhados são soluções importantes, mas para complementar os transportes públicos. Não resolvem o problema."

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."