"Novas formas de mobilidade são essenciais para aumentar as soluções"

Presidente da Câmara de Lisboa considera que sistemas de car sharing, bicicletas ou scooters partilhadas são completares da rede de transportes públicos. Mas não são a solução para os problemas

Fernando Medina acredita que as novas soluções de mobilidade criadas dentro das cidades, como os carros, bicicletas ou motas partilhadas, "são essenciais para aumentar as soluções e combinar a mobilidade com os transportes públicos, mas não são a solução para o problema". O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) falava durante o encerramento da conferência Cidades e Mobilidade, do ciclo de conferências que assinala os 153 anos do Diário de Notícias e que estão a decorrer até à próxima quinta-feira, no Centro Cultural de Belém.

O autarca reconheceu que os problemas de mobilidade na capital têm de ser resolvidos ao nível da Área Metropolitana de Lisboa (AML), uma vez que é aí que reside a maior parte das pessoas que todos os dias trazem cerca de 370 mil carros para a cidade. "É preciso resolver o problema da Linha de Cascais, mas já estamos a chegar tão tarde que a maior parte das pessoas já mora mais perto da A5 do que da linha do comboio e vão ser precisas ligações de transportes públicos até à linha", exemplifica.

Os aspetos da mobilidade "vão ser centrais nos próximos quatro anos", garantiu Fernando Medina. O principal foco é retirar carros da cidade e aumentar os transportes públicos. Onde também estão incluídos novos serviços: "Se calhar não faz sentido ter um autocarro de cinco em cinco minutos nas ligações entre bairros, às 23.00, mas um serviço de mini bus on demand, que se peça, já pode ser rentável para servir essas populações a essa hora."

Fernando Medina sublinhou ainda que as novas modas de mobilidade não são "o alfa e o ómega" para resolver os problemas. "Temos que ter transportes elétricos, porque são mais sustentáveis, mas não podem ser transportes individuais. As bicicletas, motas e carros partilhados são soluções importantes, mas para complementar os transportes públicos. Não resolvem o problema."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.