Novas camas em cuidados continuados só com visto

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) emitiu uma circular informativa que condiciona a abertura de vagas para cuidados continuados a autorização prévia do Ministério da Saúde, "depois de ponderado cada caso específico".

De acordo com o documento disponível na página na Internet da ACSS, assinado pelo presidente do conselho diretivo do organismo, João Carvalho das Neves, "a contratação de novas camas para a RNCCI [Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados], incluindo os alargamentos de capacidade de unidades já existentes, só poderá ocorrer com a autorização" do secretário de Estado adjunto do Ministro da Saúde.

A eventual abertura de novas camas em cuidados continuados fica dependente da ponderação caso a caso que terá que ter "em consideração a situação financeira global do Ministério da Saúde, e das ARS [Administrações Regionais de Saúde], e não apenas o orçamento específico anteriormente previsto para a RNCCI".

No início de abril, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, anunciou no parlamento que ao longo do próximo ano seriam abertas mil camas para cuidados continuados, ascendendo a 7.000 as que ficariam disponíveis.

Dias antes tinha sido divulgado um relatório da Entidade Reguladora da Saúde (ERS) que propunha o aumento do número de camas, a regulamentação das unidades de dia ou o reforço da contratação de médicos e enfermeiros, entre outras medidas, para melhoria da RNCCI.

A ERS pedia no relatório que seja aumentada a oferta de cuidados paliativos, dado que a oferta é "deficiente" e, no que se refere ao número de camas, "se encontra mais afastada da meta estabelecida do que outros tipos de internamento".

Por outro lado, sugeria a regulamentação e criação das unidades de dia, que estão legalmente previstas desde 2006, mas não estão ainda criadas, "com evidente prejuízo para os utentes e com potencial prejuízo para a sustentabilidade da Rede".

Sugeria ainda o reforço "prioritário" da oferta para as populações residentes nos distritos de Lisboa, Setúbal, Aveiro, Leiria, Guarda, Castelo Branco, Porto e Braga, "com vista à redução de iniquidades no acesso", bem como o reforço da oferta nas unidades de convalescença nas regiões de saúde do Norte, Centro e Alentejo e das unidades de média duração e reabilitação nas regiões de saúde do Norte e Alentejo.

Tendo em conta que foi detetada a falta de médicos e enfermeiros, a ERS pedia o reforço da oferta de profissionais, nos casos em que se verifiquem números inferiores aos recomendados", justificando que a escassez pode "comprometer a qualidade na prestação dos cuidados de saúde".

Na reação a este relatório, o Ministério da Saúde considerou que o estudo não teve em consideração a realidade económica e financeira de Portugal.

"A relevância do referido estudo (...) seria reforçada se se tivesse levado em linha de conta que as metas avançadas não tiveram em consideração a realidade económica e financeira, nomeadamente as condições orçamentais que levaram à inevitabilidade de um resgate financeiro a Portugal", referia um comunicado do Ministério da Saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.