Nova tabela da ADSE com 15 alterações entra em vigor no domingo

As mudanças eram reclamadas pelos prestadores de cuidados de saúde

A nova tabela de preços a pagar aos prestadores de cuidados de saúde aos beneficiários da ADSE, que entra em vigor no domingo, sofreu 15 alterações, as quais eram reclamadas pelos operadores privados.

Uma nota do subsistema de saúde dos funcionários públicos, enviada aos hospitais privados, a que a Lusa teve acesso, refere que a ADSE "publicou, no passado dia 01 de março de 2018, uma nova tabela cuja data de entrada em vigor será o próximo dia 1 de abril de 2018".

A ADSE reconhece que esta tabela tinha "algumas incorreções" e, perante "a necessidade de clarificar algumas das regras", incorporou alterações numa errata.

A errata em questão tem 15 pontos e abrange áreas como consultas, imagiologia, próteses, medicina dentária, radioterapia, entre outros.

As alterações agora publicadas vão ao encontro das pretensões dos operadores privados que, aquando da primeira proposta da nova tabela, puseram em causa a possibilidade de prosseguir com o acordo com a ADSE, alegando perda insustentável de valores para a sua manutenção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.