Recurso a pulseiras eletrónicas aumentou cinco vezes

De 21 de novembro até final de 2017, foram aplicadas 42 penas. A média mensal até aí era de oito

O plano da ministra da Justiça de esvaziar as prisões de condenados por crimes menores começa a cumprir-se. Segundo dados do Ministério da Justiça avançados ao DN, em pouco mais de um mês, entre 21 de novembro e 31 de dezembro de 2017, foram aplicadas pelos juízes 42 novas penas de prisão na habitação (PPH) com pulseira eletrónica. "Se considerarmos a média de PPH aplicadas entre janeiro e outubro de 2017 (média de 8 PPH), as 42 penas aplicadas em pouco mais de um mês representam um aumento de 425%", assinala o gabinete da ministra Francisca Van Dunem.

O efeito refletiu-se em novembro porque foi a partir desse mês que a lei, publicada em agosto, entrou em vigor (o prazo é sempre de 90 dias após a publicação).

Na classe judicial há dúvidas sobre a eficácia ressocializadora da prisão na habitação em alguns casos. "Por exemplo, os crimes de condução, vulgarmente classificados de crimes menores, são graves. A influência do álcool na condução pode causar acidentes , feridos e mortes. Independentemente da lei ter entrado em vigor, os juízes só vão aplicar as penas de prisão na habitação se estras cumprirem as finalidades de punição. Tem de se ver caso a caso", sublinha Manuela Paupério, presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP).

Durante todo o ano de 2017 foram aplicadas apenas 131 PPH (Penas de Prisão na Habitação) e estiverem em execução simultânea uma média de apenas 70 penas. "Mas logo após o decurso de pouco mais de um mês de implementação da nova alteração legislativa esta tendência parece estar a alterar-se", reconhece o Ministério da Justiça. Trata-se da lei que remete para a permanência na habitação de pessoas condenadas por crimes menores, com penas até 2 anos (as conduções sem carta ou com álcool a mais, pequenos furtos, etc), que antes iam cumprir o seu castigo na prisão.

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) adiantou que durante o mês de dezembro de 2017, a pena de Prisão na Habitação "teve um aumento considerável no número de novas aplicações, impulsionado pela entrada em vigor da lei 94/2017, de 23 de agosto".

Segundo os dados avançados ao DN, o aumento considerável foi de 23% a 31 de dezembro de 2017, quando se registaram 85 novos casos de penas de prisão na habitação, quando comparado com o período homólogo ( 69 PPH a 31 de dezembro de 2016).

Crimes de condução na maioria

"A maioria das pessoas que está a cumprir pena de prisão na habitação está por crime de condução sem habilitação legal (45,5%) e por condução perigosa de veículo/condução de veículo em estado de embriaguez (29,4%). Seguem-se os crimes de desobediência (5,8%) e furto (4,4%)".

Por agora, a Direção Geral ainda considera "prematuro" avançar com o número de pessoas que estando em regime de Prisão por Dias Livres ou PDL (aos fins de semana) passaram a cumprir pena de prisão na habitação. Atualmente, segundo as estatísticas prisionais, encontram-se 492 reclusos em regime PDL .

"O regime de permanência na habitação com vigilância eletrónica previsto (...) visa principalmente a prossecução das finalidades ressocializadoras e impeditiva de reincidência", sublinha o Ministério da Justiça. Mas a juíza Manuela Paupério, da ASJP, garante que o problema não é o regime PDL não funcionar "porque funciona". "Era preciso dotar as cadeias de condições e meios para que os arguidos em cumprimento de pena não estivessem em depósitos e recebessem acompanhamento".

Pulseira é mais para agressores

Quanto a medidas de coação, aplicadas antes do julgamento, a vigilância eletrónica continua a estar mais representada na fiscalização da proibição de contactos no crime de violência doméstica. Em 2017 foram aplicadas 603 sanções judiciais de proibição de contactos no âmbito da violência doméstica, o que representou um aumento de 10% relativamente ao número de decisões aplicadas em 2016 (553).

A medida de coação de Obrigação de Permanência na Habitação com Vigilância Eletrónica (OPHVE), que tem acompanhado a tendência de descida da prisão preventiva. Em 2017 foram aplicadas 393, numa diminuição de 19% face ao ano de 2016 (486).

As medidas de OPHVE aplicadas em 2017, por grandes tipologias de crime foram: 85 crimes contra as pessoas (homicídios, agressões, etc); 116 crimes contra o património (roubos e furtos); 55 crimes contra a vida em sociedade (contra a família, os sentimentos religiosos e o respeito devido aos mortos); 7 crimes contra o Estado; 109 crimes ligados ao tráfico e consumo de estupefacientes; e 21 outras tipologias. Segundo a tutela, daqui a três meses será feita a primeira avaliação da nova lei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.