Ministro diz que nova ala pediátrica do São João estará pronta em dois anos

"Teremos, no máximo, em dois anos e pouco as crianças a ser tratadas condignamente no novo espaço", garantiu o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, no Parlamento

A nova ala pediátrica do hospital de São João, no Porto, deve estar concluída e pronta para acolher as crianças daqui a cerca de dois anos, estimou hoje o ministro da Saúde no parlamento.

Numa resposta ao deputado Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda, o ministro da Saúde disse que o lançamento do concurso para projeto e obra da ala pediátrica daquele hospital do Porto será feito este ano.

"Teremos, no máximo, em dois anos e pouco as crianças a ser tratadas condignamente no novo espaço", afirmou o ministro Adalberto Campos Fernandes na comissão parlamentar de Saúde, lembrando que, entretanto, é necessário "melhorar a situação transitória" em que estão acolhidas as crianças.

A falta de condições de atendimento e tratamento de crianças com doenças oncológicas foi denunciada na semana passada por pais de crianças doentes que são atendidas em ambulatório e também na unidade do 'Joãozinho'

O Bloco de Esquerda tinha interpelado o ministro, exigindo respostas concretas sobre quando começarão as obras da nova ala pediátrica do hospital de São João, no Porto.

Campos Fernandes lembrou que "não foi este Governo nem este primeiro-ministro que, duas vezes, foi a São João lançar pedras ou placas", numa referência ao anterior executivo.

Já numa audição parlamentar na semana passada, o ministro das Finanças, Mário Centeno, tinha referido que este Governo não faria lançamento de primeiras pedras sem um respetivo financiamento e planeamento, aludindo ao que fez o executivo de Pedro Passos Coelho.

A falta de condições de atendimento e tratamento de crianças com doenças oncológicas foi denunciada na semana passada por pais de crianças doentes que são atendidas em ambulatório e também na unidade do 'Joãozinho', para onde são encaminhadas quando têm de ser internadas no Centro Hospitalar de São João.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.