O tempo que vamos ter na noite de passagem de ano

As noites em Portugal continental serão frias e com temperaturas mínimas a variar entre -1 e 07 graus

A noite de passagem de ano deverá ser fria, mas sem chuva, em Portugal continental

"Com os dados que temos hoje e a esta distância não se prevê precipitação até dia 31 [sábado], inclusive na passagem para dia 01 [domingo]. Contudo, no dia 01 temos a aproximação de uma superfície frontal que não traz muita atividade, mas pode dar precipitação na tarde de dia 01", adiantou à agência Lusa Cristina Simões, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Cristina Simões, a passagem de ano não terá chuva, mas para o início do ano a tendência é para alguma precipitação.

"Os próximos dias serão de céu pouco nublado ou limpo, apresentando alguma nebulosidade na região sul e haverá neblinas ou nevoeiros matinais em alguns locais das regiões do interior. O vento vai soprar em geral fraco, sendo mais intenso nas terras altas", disse.

No que diz respeito às temperaturas, a meteorologista adiantou que as noites em Portugal continental serão frias e com temperaturas mínimas a variar entre -1 e 07 graus Celsius.

"As máximas vão estar à volta dos 15/16 graus no litoral, sendo que no Algarve devem rondar os 16/17 graus. Nas regiões do interior, a máxima deverá ficar perto dos 10 graus", disse.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.