O tempo que vamos ter na noite de passagem de ano

As noites em Portugal continental serão frias e com temperaturas mínimas a variar entre -1 e 07 graus

A noite de passagem de ano deverá ser fria, mas sem chuva, em Portugal continental

"Com os dados que temos hoje e a esta distância não se prevê precipitação até dia 31 [sábado], inclusive na passagem para dia 01 [domingo]. Contudo, no dia 01 temos a aproximação de uma superfície frontal que não traz muita atividade, mas pode dar precipitação na tarde de dia 01", adiantou à agência Lusa Cristina Simões, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Cristina Simões, a passagem de ano não terá chuva, mas para o início do ano a tendência é para alguma precipitação.

"Os próximos dias serão de céu pouco nublado ou limpo, apresentando alguma nebulosidade na região sul e haverá neblinas ou nevoeiros matinais em alguns locais das regiões do interior. O vento vai soprar em geral fraco, sendo mais intenso nas terras altas", disse.

No que diz respeito às temperaturas, a meteorologista adiantou que as noites em Portugal continental serão frias e com temperaturas mínimas a variar entre -1 e 07 graus Celsius.

"As máximas vão estar à volta dos 15/16 graus no litoral, sendo que no Algarve devem rondar os 16/17 graus. Nas regiões do interior, a máxima deverá ficar perto dos 10 graus", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.