Negrão considera que Barreiras Duarte não está fragilizado

O líder parlamentar do PSD comentou que a posição não é debilitante e que qualidade de arguido deve servir "para defender a própria pessoa em tribunal"

Fernando Negrão afirmou esta quarta-feira que o deputado e secretário-geral social-democrata, Feliciano Barreiras Duarte, não está fragilizado nas suas funções, mesmo que seja constituído arguido.

No final da conferência de líderes e questionado pelos jornalistas se Barreiras Duarte - que hoje faltou a uma Comissão a que deveria presidir - não está debilitado nas suas funções Fernando Negrão respondeu: "Não me parece, o facto de ser arguido não debilita ninguém, uma vez que a qualidade de arguido é uma qualidade que até serve para defender a própria pessoa em tribunal".

Questionado se o secretário-geral foi constituído arguido, já que até agora só é público que a Procuradoria-Geral da República abriu um inquérito relacionado com o seu currículo académico, o líder parlamentar do PSD afirmou que não, nem considera existirem indícios para tal.

"Não, no caso não é arguido, mas tendo sido aberto um processo podendo evoluir para aí direi que isto faz parte do normal funcionamento das instituições", afirmou Negrão, acrescentando que, na sua opinião, "não há indícios para tal", mas remetendo a avaliação para o Ministério Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.