Navio com 118 metros encalhado junto ao Bugio com 10 tripulantes a bordo

Embarcação com bandeira espanhola teve um "blackout" total à saída da barra e ficou à deriva até encalhar

O navio Betanzos com bandeira espanhola está encalhado desde as 01:00 de hoje junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, ao largo de Lisboa, com 10 tripulantes a bordo, que estão bem, disse o comandante Coelho Gil.

"Cerca da 01:00 o navio teve um 'blackout' total à saída da barra, ficou à deriva e depois a maré acabou por levá-lo à situação em que está agora junto ao Bugio. Está encalhado", adiantou à agência Lusa o comandante da Capitania do Porto de Lisboa, Coelho Gil.

O comandante explicou que o 'blackout' apaga a propulsão, a energia a bordo, ficando o navio à deriva, sem capacidade para se movimentar.

"A maré pegou no navio, devolveu-o ao rio Tejo, mas pelo lado errado, para o Bugio numa área que tem muitos cabeços de areia e ele acabou por encalhar", disse.

O comandante Coelho Gil adiantou que "os 10 tripulantes estão todos bem. O navio tem 118 metros e tinha saído do terminal do Beato, em Lisboa, rumo a Casablanca [Marrocos]".

Segundo a mesma fonte, a agência, a capitania e a administração do Porto de Lisboa já estão a preparar os rebocadores para proceder à operação para desencalhar o navio.

"A agência responsável por retirar o navio já está a preparar os rebocadores. Agora como a maré está a vazar já não é possível rebocá-lo. Provavelmente só na próxima preia-mar que será às 18:00", explicou.

Até às 18:00, segundo o comandante, vão decorrer os preparativos para levar a cabo a operação, que "não vai ser muito fácil".

"É preciso levar cabos a bordo, pôr os rebocadores numa posição segura. Os rebocadores não vão poder aproximar-se do navio porque está completamente encalhado, por isso, vamos ver por volta das 18:00 como é que isto vai decorrer", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.