Não se esqueça da greve: Metro só reabre sábado. Utentes queixam-se

Efeitos de nova greve do Metropolitano de Lisboa começaram a sentir-se esta quinta-feira, a partir das 23:20. E não há serviços mínimos.

O número de greves do Metropolitano de Lisboa tem sido exagerado e os passageiros são os principais prejudicados, consideram utentes do Metro ouvidos pela Lusa um dia antes de decorrer nova paralisação dos trabalhadores.

A circulação de comboios do Metropolitano de Lisboa deverá ser suspensa hoje às 23:20, devido à greve de 24 horas convocada por vários sindicatos para sexta-feira, sendo retomada às 06:30 de sábado.

A greve, a oitava realizada este ano, pretende protestar contra a subconcessão da empresa, já atribuída pelo Governo à empresa espanhola Avanza, e contra a prevista dispensa de trabalhadores.

Para Tiago Barbosa, de 16 anos, as greves fazem sentido, mas a frequência é exagerada.

"Se não houver greves, [os trabalhadores] não podem fazer valer os seus direitos. Acho é que, no caso do Metro, já estão a exagerar um pouco. Há outras maneiras de serem ouvidos", disse o jovem, que usa o Metro todos os dias.

Já José S. considera que a greve só serve para prejudicar os utentes.

"Impede-me, por exemplo, de ir [a casa] à minha hora de almoço, que é o habitual. E como a mim, à maior parte dos utentes. Eles defendem os direitos deles e tenho de lhes dar alguma razão, mas não totalmente. Acho que vai ser sem resultados benéficos para eles. Não vão conseguir levar a deles avante", afirmou.

Maria Paulo, fisioterapeuta, queixa-se de que, sempre que há greve do Metro, tem de ir a pé da Pontinha até à Amadora para trabalhar.

"Para quê esta greve? Não adianta de nada. É para isto [o Metropolitano] não passar a privado? Mas o Estado não tem dinheiro e vai por isto privado como vai ser com a TAP. A solução que eles [os trabalhadores] querem não há. Deviam era cortar nos ordenados deles", considerou.

Também Ana Maria, reformada, precisava de usar o Metro na sexta-feira, mas já sabe que não vai conseguir e não tem dinheiro para táxis.

O mesmo acontece com Stéphanie Rodrigues, que tem um exame e não pode mesmo atrasar-se, e com Maria Vieira, que acha bem as greves, porque "cada qual tem de fazer valer os seus direitos", mas que, no caso da falta de Metro, tem de apanhar mais autocarros entre a sua casa, no Cacém, e o trabalho.

Para minimizar os inconvenientes para os utentes, o Metropolitano de Lisboa realça que a rodoviária Carris reforçará algumas das carreiras de autocarros entre as 06:30 e as 21:00, nomeadamente a 726 (Sapadores - Pontinha Centro), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas -- Bairro Dr. Lima Pimentel), a 744 (Marquês de Pombal - Moscavide - Qta. Laranjeiras) e a 746 (Marquês de Pombal - Estação Damaia).

O sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) anunciou, entretanto, ter avançado com um outro pré-aviso de greve para o Metro para 15 de julho, dia em que também a rodoviária Carris estará em greve.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.