Não se esqueça da greve: Metro só reabre sábado. Utentes queixam-se

Efeitos de nova greve do Metropolitano de Lisboa começaram a sentir-se esta quinta-feira, a partir das 23:20. E não há serviços mínimos.

O número de greves do Metropolitano de Lisboa tem sido exagerado e os passageiros são os principais prejudicados, consideram utentes do Metro ouvidos pela Lusa um dia antes de decorrer nova paralisação dos trabalhadores.

A circulação de comboios do Metropolitano de Lisboa deverá ser suspensa hoje às 23:20, devido à greve de 24 horas convocada por vários sindicatos para sexta-feira, sendo retomada às 06:30 de sábado.

A greve, a oitava realizada este ano, pretende protestar contra a subconcessão da empresa, já atribuída pelo Governo à empresa espanhola Avanza, e contra a prevista dispensa de trabalhadores.

Para Tiago Barbosa, de 16 anos, as greves fazem sentido, mas a frequência é exagerada.

"Se não houver greves, [os trabalhadores] não podem fazer valer os seus direitos. Acho é que, no caso do Metro, já estão a exagerar um pouco. Há outras maneiras de serem ouvidos", disse o jovem, que usa o Metro todos os dias.

Já José S. considera que a greve só serve para prejudicar os utentes.

"Impede-me, por exemplo, de ir [a casa] à minha hora de almoço, que é o habitual. E como a mim, à maior parte dos utentes. Eles defendem os direitos deles e tenho de lhes dar alguma razão, mas não totalmente. Acho que vai ser sem resultados benéficos para eles. Não vão conseguir levar a deles avante", afirmou.

Maria Paulo, fisioterapeuta, queixa-se de que, sempre que há greve do Metro, tem de ir a pé da Pontinha até à Amadora para trabalhar.

"Para quê esta greve? Não adianta de nada. É para isto [o Metropolitano] não passar a privado? Mas o Estado não tem dinheiro e vai por isto privado como vai ser com a TAP. A solução que eles [os trabalhadores] querem não há. Deviam era cortar nos ordenados deles", considerou.

Também Ana Maria, reformada, precisava de usar o Metro na sexta-feira, mas já sabe que não vai conseguir e não tem dinheiro para táxis.

O mesmo acontece com Stéphanie Rodrigues, que tem um exame e não pode mesmo atrasar-se, e com Maria Vieira, que acha bem as greves, porque "cada qual tem de fazer valer os seus direitos", mas que, no caso da falta de Metro, tem de apanhar mais autocarros entre a sua casa, no Cacém, e o trabalho.

Para minimizar os inconvenientes para os utentes, o Metropolitano de Lisboa realça que a rodoviária Carris reforçará algumas das carreiras de autocarros entre as 06:30 e as 21:00, nomeadamente a 726 (Sapadores - Pontinha Centro), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas -- Bairro Dr. Lima Pimentel), a 744 (Marquês de Pombal - Moscavide - Qta. Laranjeiras) e a 746 (Marquês de Pombal - Estação Damaia).

O sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) anunciou, entretanto, ter avançado com um outro pré-aviso de greve para o Metro para 15 de julho, dia em que também a rodoviária Carris estará em greve.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.