Nadia Piazza integra grupo do CDS para preparar o programa eleitoral

A líder da Associação de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande é um dos independentes, juntamente do Pedro Mexia, que vai ajudar o CDS a fazer o seu programa eleitoral

Nadia Piazza integra um grupo do CDS, designado "Portugal, com futuro", coordenado pelo vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes, que vai "selecionar e dar corpo sistemático aos elementos que são trabalhados nos vários pilares de ação do partido" (desde o grupo parlamentar, ao gabinete de estudos, concelhias e distritais) para preparar o programa eleitoral do CDS. O anúncio foi feito por Assunção Cristas, na sua intervenção, ao início da tarde, no 27º congresso do partido, que decorre em Lamego, que a distinguiu como "uma jovem mulher que todos ficámos a conhecer pela forma como tem transformado a tristeza e infortúnio de 2017, num trabalho a favor de todas as vítimas de Pedrógão".

Nadia Piazza e Pedro Mexia, poeta. escritor e consultor de Marcelo Rebelo de Sousa para a área cultural, são os dois independentes de um "grupo sub-45", como frisou a presidente centrista, que conta também com seis militantes: Ana Rita Bessa, Mariana França Gouveia, Faça Canto Moniz, Francisco Mendes da Silva e João Moreira Pinto. "É um grupo sub 45 que saberá integrar os contributos dos nossos senadores. São mulheres e homens com várias experiência profissionais e políticas, de várias regiões do país, do Porto ao Barreiro, passando por Viseu, Covilhã, Leiria ou Lisboa. Tenho a certeza que com a coordenação do Adolfo Mesquita Nunes vão fazer um trabalho extraordinário", sublinhou Cristas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.