Nadia Piazza integra grupo do CDS para preparar o programa eleitoral

A líder da Associação de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande é um dos independentes, juntamente do Pedro Mexia, que vai ajudar o CDS a fazer o seu programa eleitoral

Nadia Piazza integra um grupo do CDS, designado "Portugal, com futuro", coordenado pelo vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes, que vai "selecionar e dar corpo sistemático aos elementos que são trabalhados nos vários pilares de ação do partido" (desde o grupo parlamentar, ao gabinete de estudos, concelhias e distritais) para preparar o programa eleitoral do CDS. O anúncio foi feito por Assunção Cristas, na sua intervenção, ao início da tarde, no 27º congresso do partido, que decorre em Lamego, que a distinguiu como "uma jovem mulher que todos ficámos a conhecer pela forma como tem transformado a tristeza e infortúnio de 2017, num trabalho a favor de todas as vítimas de Pedrógão".

Nadia Piazza e Pedro Mexia, poeta. escritor e consultor de Marcelo Rebelo de Sousa para a área cultural, são os dois independentes de um "grupo sub-45", como frisou a presidente centrista, que conta também com seis militantes: Ana Rita Bessa, Mariana França Gouveia, Faça Canto Moniz, Francisco Mendes da Silva e João Moreira Pinto. "É um grupo sub 45 que saberá integrar os contributos dos nossos senadores. São mulheres e homens com várias experiência profissionais e políticas, de várias regiões do país, do Porto ao Barreiro, passando por Viseu, Covilhã, Leiria ou Lisboa. Tenho a certeza que com a coordenação do Adolfo Mesquita Nunes vão fazer um trabalho extraordinário", sublinhou Cristas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.