Nadia Piazza integra grupo do CDS para preparar o programa eleitoral

A líder da Associação de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Pedrógão Grande é um dos independentes, juntamente do Pedro Mexia, que vai ajudar o CDS a fazer o seu programa eleitoral

Nadia Piazza integra um grupo do CDS, designado "Portugal, com futuro", coordenado pelo vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes, que vai "selecionar e dar corpo sistemático aos elementos que são trabalhados nos vários pilares de ação do partido" (desde o grupo parlamentar, ao gabinete de estudos, concelhias e distritais) para preparar o programa eleitoral do CDS. O anúncio foi feito por Assunção Cristas, na sua intervenção, ao início da tarde, no 27º congresso do partido, que decorre em Lamego, que a distinguiu como "uma jovem mulher que todos ficámos a conhecer pela forma como tem transformado a tristeza e infortúnio de 2017, num trabalho a favor de todas as vítimas de Pedrógão".

Nadia Piazza e Pedro Mexia, poeta. escritor e consultor de Marcelo Rebelo de Sousa para a área cultural, são os dois independentes de um "grupo sub-45", como frisou a presidente centrista, que conta também com seis militantes: Ana Rita Bessa, Mariana França Gouveia, Faça Canto Moniz, Francisco Mendes da Silva e João Moreira Pinto. "É um grupo sub 45 que saberá integrar os contributos dos nossos senadores. São mulheres e homens com várias experiência profissionais e políticas, de várias regiões do país, do Porto ao Barreiro, passando por Viseu, Covilhã, Leiria ou Lisboa. Tenho a certeza que com a coordenação do Adolfo Mesquita Nunes vão fazer um trabalho extraordinário", sublinhou Cristas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.