Nacionalidade portuguesa vale 7000 euros no mercado negro

Pelo menos mil indianos que andam a circular pela Europa, Estados Unidos e Canadá, são agora falsos cidadãos portugueses. SEF apanhou cinco elementos da rede.

Uma rede transnacional, com sede em Lisboa, exigia entre sete mil a 10 mil euros para tratar da documentação falsa para pessoas interessadas em obter a nacionalidade portuguesa para poderem circular pelo espaço europeu, Estados Unidos e Canadá.

Ao fim de ano e meio a investigar a rede de imigração ilegal e falsificação de documentos, o SEF identificou pelo menos mil indianos que pagaram para ter a nacionalidade portuguesa através de certificados de nascimentos forjados e que estarão agora a viver e a trabalhar em Inglaterra, Estados Unidos e Canadá.

Para os assentos e certificados de nascimento foram usados dados verdadeiros de cidadãos indianos realmente nascidos nos antigos territórios portugueses da Índia (Goa, Damão e Diu), explicou ao DN fonte do SEF ligada à investigação. Sete dos elementos da rede que residiam na área da Grande Lisboa foram apanhados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anteontem, sendo que três deles foram detidos e outros cinco apenas constituídos arguidos. São todos oriundos da Índia e do Paquistão. Um deles residia em Inglaterra e foi detido por se ter deslocado a Lisboa em negócios.

Leia mais no e-paper ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.