Na democracia e nas artes, muitos quiseram participar em São Bento

Milhares de portugueses participaram nas celebrações do 25 de Abril, com espetáculos na residência oficial do primeiro-ministro e desfile na Avenida da Liberdade.

As portas de São Bento abriram ontem às 14.00, meia hora antes do previsto, devido ao calor e à afluência de pessoas que aguardavam junto à residência oficial do primeiro-ministro para se associar às celebrações do 25 de Abril. Num espaço que acolheu diversas manifestações culturais, no edifício e nos jardins, sobressaíam as primeiras páginas dos jornais, publicados a 26 de abril de 1974, a anunciar os acontecimentos da véspera.

A apreciá-las, tendo na mão um livro de poesias escolhidas por Mário Soares, o estudante de Medicina José Duro dizia estar ali para evocar "o dia histórico" que permite que "o dia-a-dia dos portugueses seja vivido com liberdade" - mas também para assistir ao concerto de Jorge Palma.

O estudante de Medicina José Duro levou para São Bento um livro de poemas escolhidos por Mário Soares

Nos jardins, suscitava particular interesse a zona onde dois grandes painéis retangulares estavam a ser trabalhados com desenhos, pinturas e colagens. Ao princípio eram sobretudo idosos e duas ou três crianças a ajudar os verdadeiros artistas, entre os quais Vhils, mas qualquer um podia fazê-lo. "Pode continuar a escrever à vontade, o que quiser", com latas de tinta, dizia um dos criadores a um dos participantes.

Ao longe, com máquina fotográfica na mão à procura do melhor ângulo, um familiar de Vhils, vindo de propósito do Alentejo, queria registar o momento - porque poderia já não ter tempo de assistir à inauguração da escultura feita pelo artista, num espaço junto ao lago e rodeada de cravos espetados na relva.

O evento também dava para brincar, com uma graffiter a dizer a um adolescente interessado em colaborar que aquilo era "só para maiores de 65 anos" - ao que a mãe retorquiu de imediato: "Vais em representação da avó." A artista não se desmanchou, enquanto o ministro Tiago Brandão Rodrigues (Educação) se juntava a um dos grupos: "Mas a mãe também pode experimentar..."

Uma hora depois da abertura das portas chegaram António Costa e Carlos César, após um passeio de mais de uma hora pelo Bairro Alto. Mas se o açoriano que preside ao PS assumia estar "esfalfado" da caminhada no dia evocativo da conquista da liberdade, o chefe do governo aparentava continuar cheio de energia, tal a disponibilidade exibida para tirar selfies e fotografias com os muitos populares presentes.

Se a atitude de António Costa suscitava paralelismos com uma das imagens de marca de Marcelo Rebelo de Sousa enquanto Presidente da República, sempre pronto a tirar mais uma foto com cidadãos anónimos, Carlos César assumia resistir a essa prática - mas não escapava a ouvir uma socialista dizer-lhe quanto "adorava ouvi-lo" dizer "umas verdades" no Parlamento.

Também a meia centena de crianças do coro Cant"Arte, depois das muitas palmas com que foram ovacionadas após cada tema de Zeca Afonso, surpreendeu os presentes ao gritar "António, António, António", quando o chefe do governo avançou para as cumprimentar e à respetiva maestrina. Seguiram-se várias atuações musicais e a leitura de poemas de Manuel Alegre, evocativa dos 50 anos da publicação de O Canto e as Armas.

Milhares de portugueses assistiram e participaram no tradicional desfile da Avenida da Liberdade

Novos gritos alusivos à data só no desfile da Avenida da Liberdade: "Abril está na rua, a luta continua"; "Somos muitos muitos mil para continuar Abril"; "25 de Abril sempre, fascismo nunca mais".... ou, proclamava a Juventude Socialista, "Soares é fixe, Soares é fixe". No passeio, no meio dos milhares de participantes com cravos na mão, o octogenário Luciano Lopes exclamava: "Temos de continuar a luta, sem luta a gente não consegue porque os capitalistas estão sempre à espreita... e a juventude sempre à frente, sempre à frente, que é o que nos conduz ao futuro." Duas horas e meia após o início do desfile, no Marquês de Pombal, o fim do cortejo ainda estava em frente ao cinema São Jorge, a meio da avenida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.