Municípios beneficiados ao adaptarem-se a alterações climáticas

Os municípios que identifiquem as vulnerabilidades da mudança do clima, que definam e que apliquem medidas de adaptação, terão incentivos financeiros.

O secretário de Estado do Ambiente revelou hoje que os municípios poderão ter incentivos à definição de estratégias e aplicação de medidas para a adaptação às alterações climáticas, nomeadamente nas zonas costeiras.

O Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) "tem verbas que podem ser utilizadas pelas câmaras municipais nas medidas de adaptação", disse Paulo Lemos aos jornalistas.

O responsável falava à margem do seminário sobre a adaptação às alterações climáticas em que foram assinados 26 protocolos entre outras tantas autarquias e o projeto ClimadaPT.Local, financiado pela iniciativa europeia EEA Grants, liderada pela Noruega, para ajudar cada região a identificar as vulnerabilidades à mudança do clima, a definir e a aplicar medidas de adaptação.

"Há cada vez maior sensibilidade para este assunto e é natural que outras autarquias comecem a preocupar-se e pretendam avançar" com formas de aumentar a resiliência a fenómenos como inundações, cheias, secas ou erosão costeira, referiu o secretário de Estado do Ambiente.

Para isso, poderão ter incentivos de várias origens, como os programas da União Europeia, e Paulo Lemos recordou que estão disponíveis cerca de quatro mil milhões de euros de verbas comunitárias para financiar investimentos na área da sustentabilidade até 2020.

Entre as questões mais complicadas na tarefa das câmaras municipais de adaptação às mudanças do clima está, segundo a opinião do secretário de Estado do Ambiente, o planeamento urbanístico, uma vez que, "durante muitos anos, não foram tidas em conta as limitações" relacionados com constrangimentos ambientais, referindo o exemplo da construção em leito de cheia.

"Lidar com situações [de construção] em zonas de risco é um dos maiores desafios" a enfrentar pelos municípios neste âmbito, outro será "a sensibilização da população para esta questão, de modo a ser parte ativa", acrescentou.

Portugal é um dos países mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas, marcadas por fenómenos extremos, de pluviosidade ou falta dela, mas também de subida do nível do mar, afetando a zona costeira, como já aconteceu em vários pontos do litoral português, por exemplo, no ano passado.

Paulo Lemos recordou que 67% do litoral português está em risco de erosão e que em 2014 e este ano o investimento para aumentar a resiliência na zona costeira ascende a 300 milhões de euros, tendo sido elaborado um relatório acerca da ação que é necessária para a gestão do litoral, criando um novo modelo, documento que está em discussão com as autarquias.

Os protocolos hoje assinados envolvem os municípios de Amarante, Barreiro, Braga, Bragança, Castelo de Vide, Castelo Branco, Coruche, Évora, Ferreira do Alentejo, Figueira da Foz, Funchal, Guimarães, Ílhavo, Leiria, Lisboa, Loulé, Montalegre, Odemira, Porto, Seia, São João da Pesqueira, Tomar, Tondela, Torres Vedras, Viana do Castelo e Vila Franca do Campo.

Estas autarquias juntam-se a Sintra, Cascais e Almada, que já estão a trabalhar na definição de uma estratégia municipal para a adaptação às alterações climáticas e a integrar medidas neste sentido nos vários planos das autarquias, como o da gestão dos recursos hídricos, para lidar com possíveis situações de seca, da saúde ou da defesa dos incêndios florestais, em resposta a ondas de calor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.