Mulheres vítimas de crime: 14 por dia

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) acompanhou 9 176 vítimas de crime em 2017. A maioria são mulheres e sofreram violência doméstica.

No dia em que a APAV celebra 28 anos, hoje, a associação faz um balanço do que tem sido a sua atividade desde 1990. Anos em que as mulheres e o crime de violência doméstica estiveram presentes na maioria dos processos, mas com mudanças recentes: "outras formas de crime, como o bullying (0.5 %), começam a emergir nas estatísticas da associação, que também apontam para um crescimento de 19 % do número total de atendimentos (entre 2015 e 2017)", referem em comunicado.

3 pessoas idosas por dia

O número de atendimentos tem vindo a aumentar, de 35 411 em 2016 para 40 928 em 2017, o que já não se verificou na quantidade de processos (12 086), crimes (21 161) e de vítimas (9 176). Números do ano passado e que estão ligeiramente abaixo dos registados em igual período de 2016.

Os casos de violência doméstica continuam a ser os mais expressivos, 75,7 % do total de crimes.

2 homens por dia, tantos como crianças e jovens

Os responsáveis da associação reconhecem cada vez mais a "necessidade de combater as desigualdades da sociedade portuguesa, seja com base no género, na orientação sexual, na etnia ou na faixa etária". Em 2017, foram vítimas de crime, 944 idosos (pessoas com 65 ou mais anos), 810 crianças e jovens e 775 homens.

A APAV está presente em 26 localidades e tem 18 gabinetes de espalhados pelo país. O ano passado apoiou pessoas em 207 concelhos dos 308 existentes

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.