Mulheres representam 70% dos portugueses sem escolaridade

"As mulheres estão duplamente representadas em maioria": são também o grupo que tem o ensino superior completo, revelam os dados

As mulheres representam 70% dos portugueses sem escolaridade, mas também são elas as que têm mais cursos superiores, segundo dados divulgados pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG).

"As mulheres estão duplamente representadas em maioria" no grupo dos portugueses sem nenhum nível de escolaridade completo e no grupo do que têm o ensino superior completo, refere a primeira edição eletrónica da CIG "Igualdade de Género em Portugal: indicadores-chave 2017", publicada no seu 'site'.

Do total da população com 15 e mais anos, 8,4% não tem nenhum nível de escolaridade completo e 17,1% tem ensino superior completo.

Em cada 100 pessoas sem nenhum nível de escolaridade, 71 são mulheres, o que pode traduzir "a falta de escolarização da população feminina mais idosa", e em cada 100 pessoas com ensino superior completo, cerca de 60 são mulheres, o que representará "a camada mais jovem da população feminina".

De acordo com os dados, em 2016 havia 495 mil mulheres sem escolaridade, ao mesmo tempo que estão em maioria em todas as áreas do ensino superior, com exceção da Engenharia, das Indústrias Transformadoras e da Construção.

O documento destaca "a baixa participação" das mulheres nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e refere que, relativamente à igualdade de género, "se o número de mulheres nas TIC igualasse o dos homens poderia haver um ganho de cerca de 9 mil milhões de euros por ano", em termos do PIB, na União Europeia.

A nível da taxa de emprego, os dados indicam que, em 2016, era de 47,5% para as mulheres e de 56,9% para os homens.

"A diferença entre os valores poderá explicar-se, entre outras razões, pela maior participação de homens na atividade profissional, pelo facto de as raparigas tenderem a manter-se mais tempo no sistema de ensino ou ainda pela maior dificuldade das mulheres em obter um emprego", sublinha a CIG.

Analisando dados do Eurostat, que permitem uma comparação entre Portugal e a UE28, os dados da CIG constatam que "a diferença entre os homens portugueses e os europeus, relativamente ao tempo parcial, é irrelevante, o mesmo não se podendo dizer no caso das mulheres".

"Se em Portugal as mulheres empregadas a tempo parcial são apenas cerca de 12,5% do total do emprego feminino, a média europeia é de cerca de 32%", sublinha o documento.

Dados indicam que a maioria das mulheres portuguesas que trabalham a tempo parcial, o fazem apenas porque não conseguem trabalhar a tempo inteiro.

A CIG assinala uma "evolução sensível" da proporção de homens que partilharam com as mulheres a licença inicial de parentalidade de 120/150 dias.

Contudo, as mulheres continuam a apresentar a maioria de licenças parentais (85,4% contra 27,5% m 2015).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.