Mulher que furtou peças de ouro com TIR

A Guarda Nacional Republicana (GNR) anunciou ter identificado uma mulher como alegada autora do furto de 60 peças em ouro, avaliadas em 40 mil euros, numa residência em Caminha.

As 28 peças foram recuperadas na quinta-feira pelos militares da GNR numa operação que envolveu buscas à casa da alegada autora do furto, segundo fonte do Comando Territorial de Viana do Castelo daquela força policial.

Estas peças - cerca de 200 gramas em ouro - tinham sido furtadas "em meados de janeiro" deste ano do interior de uma residência na freguesia de Vila Praia de Âncora, concelho de Caminha.

A polícia já tinha recuperado em fevereiro outras 26 peças - do total de 62 alegadamente furtadas pela mulher- em "diferentes locais", além de oito "que tinham sido entretanto vendidas num estabelecimento de compra e venda de ouro, em Gondomar".

No âmbito desta investigação, esclarece ainda a GNR, foi identificada a alegada autora do furto, de 40 anos e residente igualmente em Vila Praia de Âncora, na posse das restantes 28 peças de ouro, recuperadas esta semana.

A suspeita foi constituída arguida e sujeita a Termo de Identidade e Residência (TIR), no âmbito de um processo que corre termos no tribunal de Caminha, acrescenta a GNR.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".