Peixeira Açucena Veloso morre em despiste

Tinha banca no mercado 31 de janeiro, em Lisboa, e fornecia vários 'chefs'

Açucena Veloso, 65 anos, conhecida peixeira de Lisboa, morreu hoje na sequência do despiste do automóvel que conduzia na zona de Corroios, no concelho do Seixal, distrito de Setúbal.

No Facebook da peixeira, que fornecia peixe para chefs de renome, são já várias as mensagens de consternação, entre elas as de alguns chefs e a de Margarida Martins, presidente da Junta de Freguesia de Arroios.

O chef Fábio Bernardino fala de Açucena Veloso como uma "segunda mãe". "Conhecia-a há muito tempo. Ajudou-me muito na minha carreira. Não só pelo peixe que me arranjava, mas também pelos conselhos que me dava", diz ao DN, realçando que a peixeira "era uma excelente pessoa para toda a gente".

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal indicou que o despiste com capotamento, cujo alerta foi dado às 08:23, ocorreu na Rua de Niza, no lugar de Vale de Milhaços, concelho de Seixal.

Contactado pela Lusa, o Comando Distrital de Setúbal da PSP que remeteu para segunda-feira mais informações sobre o acidente.

Uma fonte do Bombeiros Voluntários do Seixal precisou à Lusa que a vítima mortal do despiste é uma mulher de 65 anos que viajava sozinha no veículo, mas não adiantou a identidade da mesma.

Participaram nas operações de socorro elementos dos Bombeiros do Seixal, da PSP e a viatura médica de emergência e reanimação (vmer) do Hospital Garcia de Orta, em Almada, num total de 17 operacionais, apoiados por sete veículos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.