Mudança da hora. No domingo o sol já nasce mais cedo

Este fim de semana começa o horário de inverno

Os relógios vão atrasar, na madrugada de domingo, uma hora, iniciando-se o horário de inverno: no continente e na Madeira atrasam 60 minutos às 2.00 e nos Açores à 1.00.

Assim, quando forem 2.00 no continente e no arquipélago da Madeira, os ponteiros recuam uma hora e passa a ser 1.00.

Quando for 1.00 no arquipélago dos Açores (que tem menos uma hora do que o continente e a Madeira), os relógios atrasam os mesmos 60 minutos e passa a ser meia-noite (00.00).

A hora de inverno manter-se-á até à madrugada de 27 de março de 2016, altura em que os relógios voltam a ser adiantados 60 minutos, entrando-se na hora de verão.

As mudanças de hora, descritas no portal do Observatório Astronómico de Lisboa, entidade que regula a hora legal portuguesa, estão definidas por legislação nacional e comunitária e acontecem no último domingo de outubro (hora de inverno) e no último domingo de março (hora de verão).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.