MP pede prisão efetiva para Vale e Azevedo

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de João Vale e Azevedo no processo de alegada apropriação de mais de quatro milhões de euros do Benfica, resultantes da transferência de futebolistas, entre 1998 e 2000.

Nas alegações finais do julgamento na 3.ª Vara Criminal de Lisboa, o MP considerou que João Vale e Azevedo, presidente do Benfica de novembro de 1997 a outubro de 2000, "deve ser condenado, em cúmulo jurídico, a uma pena de prisão efetiva" por um crime de branqueamento de capitais, um de falsificação de documento, um de abuso de confinaça e três de peculato.

"O arguido deve ser condenado pelos crimes imputados na acusação, apurados na generalidade face à substancial prova nos autos", referiu o procurador da República João Paulo Rodrigues.

O magistrado argumentou que Vale e Azevedo "conseguiu desviar de qualquer controlo contabilístico do Benfica" as transações dos quatro futebolistas, usando "o dinheiro para despesas do seu exclusivo interesse".

A sessão de julgamento de hoje prossegue com as alegações finais dos advogados do Benfica e de Vale e Azevedo.

Extraditado para Portugal a 13 de novembro e 2012, Vale e Azevedo não está presente em tribunal, uma vez que usou a a prerrogativa da lei no âmbito de extradição para Portugal (princípio da especialidade).

A sua alegação foi a de que "não pode ser sujeito a procedimento penal por infração praticada em momento anterior" à sua extradição, ao abrigo do mandado de detenção emitido após fixado o cúmulo jurídico de 11 anos e meio no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria.

Vale e Azevedo encontra-se preso no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Belas (Sintra).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.