MP arquivou inquérito por suspeita de atentado na ponte 25 de Abril

Saco de plástico abandonado no tabuleiro da ponte levou ao corte do trânsito rodoviário e ferroviário durante várias horas.

O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito relativo à suspeita da prática de crime de atentado à segurança de transporte rodoviário, por factos ocorridos na ponte 25 de Abril, a 04 de maio, pelas 18:10, foi hoje divulgado.

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), a participação da ocorrência descrevia que, por essa hora, na ponte 25 de Abril, no sentido Lisboa-Almada, havia sido visto por um funcionário da Lusoponte um embrulho de plástico, fechado, junto ao pilar principal, quilómetro três.

Através das câmaras de vídeo vigilância foi identificada uma viatura cujo condutor parou na faixa de rodagem, saiu do seu interior e colocou o embrulho na berma da faixa de rodagem, tendo depois abandonado o local na mesma viatura, em direção a Almada, adianta a PGDL.

Por se desconhecer o conteúdo do saco de plástico, a PSP desencadeou, na altura, todos os mecanismos de segurança obrigatórios, interrompendo a circulação rodoviária na ponte 25 de Abril em ambos os sentidos, pelas 19;45 e até ás 20:40, momento em que se assegurou do conteúdo inócuo do saco e ordenou o restabelecimento da circulação, prossegue a PGDL.

Fonte da PSP disse, na altura à agência Lusa, que a ponte foi encerrada ao trânsito rodoviário nos dois sentidos por suspeita de ameaça de bomba, causando grandes filas de carros. A circulação de comboios também foi interrompida.

Na investigação, o MP concluiu que o "saco continha vários artigos de roupa de senhora e de criança, não sendo foco de qualquer ameaça" e que "o proprietário da viatura que parou, saiu do seu interior e colocou o saco na berma da estrada, fê-lo com mera intenção de salvaguardar a segurança dos utentes da via, uma vez que observara o desvio brusco de viaturas por causa do saco na via, e sem atentar nas consequências do seu ato".

Apurou ainda a investigação que "uma testemunha viu o saco cair de uma carrinha de caixa aberta que transportava dois colchões de cama e vários sacos, desconhecendo-se a matrícula desta carrinha, por não ter ficado filmada nas câmaras de vídeo vigilância e não ter sido possível outras informações".

Segundo os investigadores, uma outra testemunha observou a mesma carrinha de caixa aberta com a carga mal acondicionada, mas não tirou a matrícula.

Em resultado da factualidade apurada e das provas recolhidas, o MP entendeu assim que não se verificou a prática do crime denunciado, não obstante os acontecimentos subsequentes, na medida em que o saco de plástico caiu da camioneta não identificada inadvertidamente e que a intenção de quem o colocou na berma da via era restabelecer a circulação rodoviária uma vez que o pacote era perturbador da mesma.

O arquivamento do inquérito foi comunicado à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária para fins contraordenacionais relacionados com os factos conhecidos.

A investigação foi realizada e dirigida pela 5º secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP de Lisboa).

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.