Seis indivíduos acusados de tráfico de droga pelo Ministério Público

Um dos arguidos exerceu funções como "distribuidor grossista" de heroína e cocaína entre janeiro de 2015 e outubro de 2017

O Ministério Público (MP) acusou de tráfico de estupefacientes seis indivíduos, entre os quais um "distribuidor grossista" que a partir de vários locais de Guimarães alimentava os "retalhistas", divulgou a Procuradoria-Geral Distrital do Porto (PGDP).

Em nota publicada no seu site, a PGDP refere que o MP considerou indiciado que um dos arguidos funcionou, de janeiro de 2015 a outubro de 2017, como distribuidor grossista de heroína e cocaína, alimentando outros traficantes retalhistas.

Quando foi detido, em outubro de 2017, este arguido tinha consigo, numa residência em Guimarães, 1,3 quilos de heroína e 191 gramas de cocaína.

Segundo o MP, este arguido desenvolveria a sua atividade a partir de vários locais de armazenamento, preparação, dissimulação e corte no concelho de Guimarães e com a colaboração de uma mulher e um homem, também arguidos.

Dois outros arguidos são mais um homem e uma mulher que, durante o período em causa, foram "clientes" do "grossista", tendo-lhe comprado produto estupefaciente ao longo do período em questão.

Estes dois arguidos revenderiam "com lucro" a consumidores ou a outros pequenos traficantes, encontrando-se entre estes um arguido também acusado.

O arguido grossista e um outro tinham sido já condenados, por duas vezes, a penas de prisão efetiva, que cumpriram, pela prática de crime de tráfico de estupefacientes.

Neste processo foram, assim, acusados como reincidentes.

Um dos arguidos vai ainda responder por um crime de detenção de arma proibida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?