Movimento "Não Apaguem a Memória" contra concessão de Forte de Peniche a privados

Em causa, a transformação da antiga prisão em empreendimento turístico.

O Movimento Não Apaguem a Memória manifestou-se hoje contra a intenção do Governo de concessionar a Fortaleza de Peniche a privados, por defender que não concilia os interesses turísticos com os da preservação do espaço emblemático da resistência antifascista.

"Não se vê como a concessão a um privado do Forte de Peniche se possa conciliar com a divulgação dos combates pela liberdade, ainda menos com a dignificação de um dos locais mais significativos e simbólicos da resistência à ditadura do Estado Novo, nem com a valorização do Museu da Resistência aí instalado", refere o movimento em comunicado.

O movimento defende, pelo contrário, que o Governo deverá "criar condições, incluindo financeiras, para que o Forte seja devidamente preservado".

"A democracia não pode esquecer aqueles que abnegadamente lutaram e sofreram pela sua instauração e não pode privatizar a gestão da sua memória e dos seus símbolos históricos mais emblemáticos", enfatiza.

Uma petição pública eletrónica contra a eventual concessão a privados a exploração turística ou hoteleira da Fortaleza de Peniche, antiga prisão do regime do Estado Novo, está a circular e já conta com cerca de 4.000 assinaturas, entre as quais do comunista e conselheiro de Estado do Presidente da República Domingos Abrantes, um dos muitos presos políticos do regime ditatorial e um dos protagonistas de uma das fugas que abalaram o 'status quo' de António de Oliveira Salazar, dessa feita do Forte de Caxias, em 1961.

"Os abaixo-assinados, democratas antifascistas, surpreendidos com as recentes notícias sobre a concessão do Forte de Peniche, empenhados na defesa da necessária preservação da memória e resistência ao fascismo e pelo respeito de milhares de portugueses que deram o melhor das suas vidas para que o povo português pudesse viver em liberdade, apelam ao Governo para que o Forte de Penichepermaneça património nacional, símbolo da repressão fascista e da luta pela liberdade", lê-se no documento colocado no sítio virtual "peticaopublica.com".

Além de Domingos Abrantes, Sérgio Godinho, José Barata Moura, Pilar del Río ou a ex-provedora da Casa Pia Catalina Pestana estão entre as personalidades que aderiram.

Também a União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) está contra.

"A preservação do Forte de Peniche, quer como lugar da repressão e da resistência ao fascismo, quer como lugar de esclarecimento para as jovens gerações sobre o que foi a ditadura fascista, é uma exigência de respeito pela memória de todos aqueles que sacrificaram o melhor das suas vidas para que o povo vivesse em liberdade", afirma a associação em comunicado.

A mesma posição é mantida pela direção nacional e pela Organização Regional de Leiria do PCP.

Pelo contrário, a Câmara de Peniche e as estruturas locais do PCP, PS e PSD são favoráveis à concessão da Fortaleza de Peniche para fins turísticos, desde que seja salvaguardada a preservação e que o museu da ex-prisão política continue aberto.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.