Motores do desenvolvimento económico e social estão no investimento e nas exportações

Cavaco Silva defendeu hoje que no futuro não se pode ignorar esta realidade, independentemente do Governo que tenhamos

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse hoje que os motores do desenvolvimento económico e social do país "estão no investimento, no investimento privado e nas exportações", destacando o papel dos empresários na execução do programa de ajustamento.

"Agora, como nos próximos anos, não tenho a mínima dúvida que os motores de crescimento da economia portuguesa, que os motores do desenvolvimento económico e social do nosso país estão no investimento, no investimento privado e nas exportações. E o investimento e as exportações vêm acima de tudo da iniciativa privada", declarou Cavaco Silva.

O Chefe de Estado falava no final de uma visita à empresa Duorum, na freguesia de Castelo Melhor, no concelho de Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda.

"Portanto, eu não acredito que no futuro qualquer que seja o Governo que tenhamos em Portugal possam ignorar estas realidades", sublinhou.

Para Cavaco Silva, "a realidade tem muita força": "Os discursos podem-se fazer muitos, a retórica pode ser muito abundante, mas a realidade acaba sempre por se impor, mesmo que não venha da União Europeia, mesmo que não venha do Fundo Monetário Internacional, mesmo que não venha das agências de 'rating', mesmo que não venha dos mercados. Há de chegar da força do nosso povo".

"Eu encontrei isso claramente ontem, na visita que voltei a fazer às Aldeias Históricas. São as gentes desta terra que perceberam quão importante é para o seu desenvolvimento a preservação do seu património histórico e o seu património cultural", disse.

Na sua intervenção, elogiou também o empresário José Franco, que investiu em Foz Côa, criando uma empresa agrícola com 160 hectares de vinha, nove postos de trabalho permanentes e 40 eventuais.

"É com empresários como este que nós venceremos todas as nossas dificuldades. Foi com empresários como estes que nós conseguimos executar um exigente programa de ajustamento para corrigir os desequilíbrios das nossas contas públicas, da nossa competitividade, e das nossas contas externas", afirmou.

Acrescentou que "foi com empresários como estes e com os seus trabalhadores que Portugal conseguiu novamente o acesso aos mercados financeiros internacionais a taxas de juro comportáveis".

"Foi com empresários como estes que nós conquistámos mercados na Ásia, na América Latina, como referiu, no Canadá, nos Estados Unidos, na Europa de Leste. Foi com estes empresários que a economia portuguesa se tornou uma economia integrada no mercado global, competitiva, enfrentando mercados exigentes, mais produtiva e que nos dá uma forte esperança para o futuro", rematou.

Na deslocação a Vila Nova de Foz Côa, Cavaco Silva também visitou o Museu do Côa, tendo-se mostrado "impressionadíssimo" com a arquitetura do complexo cultural.

O presidente da Câmara Municipal, Gustavo Duarte, deu conta do orgulho por liderar um município que tem dois patrimónios mundiais: o Douro Vinhateiro e as gravuras rupestres.

No entanto, alertou para a necessidade de existir sinalética a indicar o Museu do Côa nas principais vias rodoviárias de região e de ser corrigido o modelo de gestão da fundação que gere o espaço.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.