Moscovici refere progressos de Portugal mas diz que há desafios para resolver

O comissário europeu mostra-se satisfeito com a situação portuguesa, mas alerta para "desafios para resolver", como a elevada dívida pública e o peso do crédito malparado na banca

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, destacou hoje em Lisboa os progressos de Portugal desde 2015, mas alertou que ainda permanecem desafios por resolver e que o esforço de consolidação é para manter.

"É com prazer que vejo o quanto a situação aqui em Portugal mudou desde a minha primeira visita na primavera de 2015", afirmou Pierre Moscovici, numa conferência de imprensa na Representação Portuguesa da Comissão Europeia, em Lisboa.

Ainda assim, o comissário europeu alertou que "permanecem desafios para resolver", sobretudo no que diz respeito à elevada dívida pública e ao peso do crédito malparado na banca, e defendeu que "os esforços que permitiram alcançar estes resultados [positivos] devem ser mantidos".

Questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade, avançada pelo primeiro-ministro, António Costa, esta semana de o défice orçamental português ficar abaixo dos 1,4%, Pierre Moscovici admitiu que isso é possível.

"Ele também me disse isso e normalmente quando o diz está a falar a sério. Veremos os números na primavera. Os indicadores para Portugal têm sido melhores do que as previsões. E é por isso que eu espero que não tenhamos uma divergência, por isso, sim, é possível", afirmou.

Apesar do otimismo, no final de novembro, a Comissão Europeia voltou a colocar Portugal no grupo de países cujo orçamento está "em risco de incumprimento" das regras europeias, por se considerar que os progressos realizados a nível estrutural no cumprimento das recomendações que lhe tinham sido feitas foi limitado.

"Sim, pedimos um pouco mais, especialmente a nível estrutural", respondeu o comissário aos jornalistas, mostrando-se otimista de que será possível também alcançar esses objetivos e reiterando que "não há nuvens negras" entre Bruxelas e Lisboa.

Questionado ainda sobre os riscos que existem sobre a economia portuguesa, Moscovici admitiu que "há sempre riscos", defendendo por isso que é necessário fazer mudanças estruturais na economia, ao nível do investimento, inovação e formação.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.