Morreu o padre Joaquim Carreira das Neves

O padre franciscano tinha 82 anos

O padre Joaquim Carreira das Neves morreu esta sexta-feira, em Lisboa, aos 82 anos. A informação foi avançada pela Agência Ecclesia, que foi informada pela Província Portuguesa da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos).

"O padre Carreira das Neves morreu hoje cerca das 10:00 no Seminário da Luz. Está marcada uma missa às 19:00 de hoje no seminário", confirmou à Lusa fonte do Seminário da Luz, em Carnide, em Lisboa, onde este residia.

Um dos mais conhecidos teólogos portugueses, era um dos nomes mais importantes dos estudos bíblicos em Portugal, sendo autor de vários livros sobre a religião.

Em entrevista à agência de notícias da Igreja Católica, em 2011, o franciscano falou da sua luta contra o cancro, que o deixara várias vezes "às portas da morte".

"Era um querido amigo", recorda Anselmo Borges. "Era um franciscano, um homem muito simples, muito afável, acolhedor das pessoas", elogia, sem esquecer de realçar o seu "mérito e honestidade intelectual" e o facto de ser "o maior biblista português".

Carreira das Neves nasceu a 26 de junho de 1934 na Caranguejeira, Leiria. Foi ordenado sacerdote em 1958 e licenciou-se em Teologia em Roma, anos depois, tendo sido professor de Teologia da Universidade Católica Portuguesa.

O padre Carreira das Neves desenvolveu investigações sobre Jesus e a Cristologia das primeiras comunidades cristãs e foi autor de várias obras literárias ligadas aos estudos bíblicos, entre as quais As Grandes Figuras da Bíblia e Ler a Bíblia no Século XXI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.