Morreu o antigo reitor Ilídio do Amaral

Académico exerceu o cargo entre 1977 e 1979, tendo sido anteriormente o último presidente do Instituto de Alta Cultura. Tem publicada importante obra na área da Geografia.

Ilídio do Amaral, reitor da Universidade de Lisboa entre 1977 e 1979, faleceu hoje de manhã, aos 90 anos, disseram à Lusa fontes oficiais da Universidade de Lisboa e do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT).

O corpo está em câmara ardente na igreja do Campo Grande e o funeral realiza-se no sábado às 13:00, disse a diretora do IGOT, Lucinda Fonseca.

Nascido a 3 de setembro de 1926, em Angola, Ilídio do Amaral era licenciado e doutourado em Geografia pela Universidade de Lisboa, tendo sido investigador e diretor-adjunto do Centro de Estudos Geográficos daquela instituição. Foi ainda fundador e diretor do Centro de Geografia do Instituto de Investigação Científica Tropical.

Entre 1977 e 1979, Ilídio do Amaram foi reitor da Universidade de Lisboa e, antes deste período, foi o último presidente do Instituto de Alta Cultura, entre 1975 e 1976.

Tanto a Universidade de Lisboa como o IGOT e o CEG - Centro de Estudos Geográficos, apresentaram hoje o seu "profundo pesar" à família pela morte de Ilídio do Amaral.

"Distinto investigador do Centro de Estudos Geográficos e professor do antigo departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o professor Ilídio do Amaral exerceu cargos de grande relevância e responsabilidade na academia, destacando-se o exercício da função de reitor da Universidade de Lisboa", refere a instituição, num comunidade divulgado na sua página eletrónica.

"Ao longo da sua carreira, evocamos a figura insigne do professor Ilídio do Amaral e o contributo que deu à geografia. A sua obra científica sobre as regiões tropicais e especialmente sobre o território dos países africanos de língua portuguesa é amplamente reconhecida pela academia nacional e internacional", adianta a Universidade de Lisboa.

"A dissertação de doutoramento sobre Santiago de Cabo Verde (1964) foi amplamente estudada em diversos países e contribuiu significativamente para o prestígio nacional e internacional da geografia portuguesa e do geógrafo Ilídio do Amaral", refere a instituição, que recorda que Ilídio do Amaral foi ainda fundador e diretor da revista Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia.

O reitor da Universidade de Lisboa, Cruz Serra, vai estar presente nas cerimónias fúnebres.

"Nesta data e em nome de todos os professores, investigadores e funcionários do IGOT e do CEG, as respetivas direções apresentam à família enlutada e amigos as suas sinceras condolências", referem as duas entidades, em comunicado divulgado no 'site'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.