Morreu Armando Lencastre, antigo Bastonário da Ordem dos Engenheiros

Era um dos maiores especialistas portugueses em hidráulica

O antigo bastonário da Ordem dos Engenheiros Armando Lencastre morreu hoje em Lisboa e o seu corpo estará a em câmara ardente, a partir das 19:00, na na Igreja São João de Brito, Lisboa, informaram hoje os serviços da funerária Servilusa.

Na sexta-feira, pelas 14:00 terão início as exéquias fúnebres, com celebração de missa de corpo presente, seguindo o funeral para o Cemitério de Colares, em Sintra.

O professor Armando Lencastre foi ainda presidente honorário da Academia de Engenharia, tendo sido reconhecidamente um dos maiores especialistas portugueses em hidráulica e recursos hídricos.

Licenciou-se em Engenharia Civil (1950) pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa (IST/UTL), onde foi presidente da Associação de Estudantes do IST/UTL (1949-1950). No IST/UTL exerceu docência de matemática e hidráulica (1949-1963);

Desenvolveu atividade profissional no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) de 1950 a 1968 e em 1963 obteve o grau de investigador principal.

Foi ainda professor catedrático convidado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT/UNL) e fundador e primeiro presidente da Academia de Engenharia.

Membro efetivo da Academia de Ciências de Lisboa, foi também autor de sete livros de referência para várias gerações de engenheiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.