Mora em Sintra? Gosta de bicicletas? Câmara quer construir 39 quilómetros de percursos

A empreitada vai custar cinco milhões de euros

A Câmara de Sintra prevê lançar empreitadas para a construção de 39 quilómetros de ciclovias até 2019, num investimento de cinco milhões de euros, e a primeira ligará o bairro da Portela a Mem Martins, foi hoje anunciado.

"Temos um plano de ciclovias de 39 quilómetros, em todo o concelho, o que significa um investimento na ordem dos cinco milhões de euros" até 2019, anunciou o presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), por ocasião da assinatura do contrato da primeira empreitada.

Segundo uma nota da autarquia, na sexta-feira foi assinada a primeira empreitada, no valor de cerca de 200.000 euros, para a construção de um circuito pedonal e para circulação de bicicletas, numa extensão de 2.800 metros, entre a Portela de Sintra e Ouressa, em Mem-Martins.

A câmara pretende "melhorar as condições de segurança rodoviária" e de mobilidade, através de um meio de transporte menos poluente, com a criação de "percursos cicláveis seguros e cómodos", que liguem zonas residenciais a áreas verdes, de serviços e de lazer, acrescenta a autarquia.

O presidente da câmara salientou que "está dado o primeiro passo para a criação de uma rede de ciclovias no concelho" e a importância em "começar com pequenos troços com utilidade para os munícipes".

De acordo com o contrato assinado no âmbito da "presidência aberta" realizada na União das Freguesias de Sintra, as obras vão ter início no próximo mês de janeiro e a conclusão está prevista para julho de 2016.

A Câmara de Sintra candidatou, inserido no Programa Operacional de Lisboa, financiado com verbas comunitárias do programa Portugal 2020, vários projetos de "mobilidade urbana sustentável".

Além do reperfilamento da estrada de ligação entre a Portela de Sintra e Ouressa, em 2016, a autarquia possui em apreciação na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) projetos para percursos pedonais e ciclovias entre Colares, Banzão e Praia Grande (945.000 euros), em Rio de Mouro e ligação ao Cacém (800.000) e entre Agualva e Mira Sintra (450.000).

A criação de uma rede ciclável nos eixos Agualva-Queluz, Massamá-Casal da Barota e Queluz-Belas (1.990.000 euros) e de ciclovias em Agualva-Cacém (270.000) e da estação ferroviária da Portela de Sintra à Escola Secundária de Santa Maria (89.000) são outros projetos candidatados aos fundos comunitários.

A maioria das intervenções possui uma previsão de início em 2017, com a duração de um ou dois anos, e duas estão programadas para o período 2019-2020, no final do novo quadro de fundos europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.