Voos civis podem chegar ao Montijo em 2022

Para João Nunes, diretor do aeroporto Humberto Delgado, "estão reunidas todas as condições" para que o Montijo receba voos civis em 2022

O diretor do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, João Nunes, afirmou hoje que a infraestrutura do Montijo poderá estar a receber voos civis em 2022, desde que haja uma "decisão favorável" dentro do calendário elaborado.

"Acreditamos que há todas as condições, neste momento, para que se houver, dentro do horizonte temporal estabelecido, uma decisão favorável, estamos preparados para que tenhamos operações civis no Montijo já em 2022", afirmou o responsável, indicando que deverá haver uma posição final no segundo semestre.

O diretor garantiu que a responsabilidade da ANA, gestora dos aeroportos, está cumprida em termos de apresentação de projetos necessários.

"Havia algumas matérias pendentes, que tinham a ver com estudos ambientais, que também já estão entregues. Nós consideramos que estão reunidas todas as condições e o Governo terá todos os elementos necessários à tomada de decisão, que é importante que ela seja tomada efetivamente, rapidamente", considerou.

As respostas aos jornalistas foram dadas depois da apresentação da nova área de 'check-in' do aeroporto de Lisboa, um investimento de 11 milhões de euros.

A nova área é composta por quiosques e balcões de utilização automática em formato de 'self-service'.

Esta nova área surge quando o aeroporto de Lisboa, mais do que duplicou em termos de número de passageiros processados, que subiram de 13 milhões em 2008 para 26,7 milhões em 2017.

"Em 2017 registamos o maior aumento de número de tráfego de sempre: 4,2 milhões de passageiros do ano", e Lisboa entrou, assim, na "liga dos campeões dos aeroportos" e está a competir em "tudo que é bom e naquilo que são grandes desafios".

Com este crescimento "tão abrupto e súbito", o aeroporto está perto do "limite da sua capacidade", notou o responsável, lembrando que em 2017 foram ultrapassados todas as condições impostas para a "formulação para uma proposta de expansão para o aeroporto de Lisboa".

Aos jornalistas, João Nunes recordou as questões da capacidade e organização do espaço aéreo na zona de Lisboa, que "determina a capacidade do aeroporto", pelo que foram desenvolvidos planos nesse sentido e "compromissos militares, alguns deles que ainda estarão em formalização final", que irão permitir passar dos atuais 40 movimentos por hora para 46 a 48.

O Montijo poderá registar 24 movimentos por hora e assim poderá haver uma espécie "aeroporto com duas pistas separadas, no meio, por um rio", já que a "pista no Montijo, se esta solução avançar, é praticamente paralela à de Lisboa".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."