Montepio: partidos querem saber mais sobre "enorme benefício fiscal"

Governo tem de explicar operação que permitiu à Associação Mutualista beneficiar de crédito fiscal de 808,6 milhões de euros. PS defende que decorre da lei

Os partidos parlamentares querem esclarecimentos do Governo por causa dos créditos fiscais prometidos à Associação Mutualista Montepio Geral, proprietária do banco, que podem atingir os 808,6 milhões de euros em ativos por impostos diferidos. "Um enorme benefício fiscal", sublinhou o BE. Trata-se de um regime já existente, criado pelo executivo anterior do PSD e CDS, como recordaram socialistas, bloquistas e comunistas.

O BE e o PCP acusaram à vez este regime de ser uma "fórmula contabilística criativa" e o deputado comunista Miguel Tiago notou que o partido "foi sempre contrário a estes mecanismos", notando que se têm "batido" para que esta lei "seja eliminada".

"Todos os bancos fazem uso dela", apontou Miguel Tiago, que defendeu que "esta situação é uma operação financeira e contabilística" para mascarar resultados que "continuam a ser preocupantes". Para o PCP é importante "limitar no tempo e no volume" estes créditos, sublinhando que o Ministério das Finanças autorizou estes créditos "à luz da lei".

O PS agarrou-se a isto mesmo para recusar qualquer "decisão" do Governo nesta matéria. "A Associação Mutualista Montepio fez um pedido de informação vinculativa à Autoridade Tributária e Aduaneira, que concluiu estarem verificados os pressupostos legais de uma lei que existe e que não foi alterada para esse efeito. Não está na disponibilidade da Autoridade Tributária negar algo que a lei prevê", apontou o deputado João Galamba.

"Ao contrário do que foi veiculado, não há aqui qualquer injeção de dinheiro dos contribuintes. Aliás, das duas uma: Ou os contribuintes ficam exatamente como estavam; ou ficam melhor, porque uma entidade que estava isenta de IRC vai deixar de estar", defendeu o socialista.

Este aspeto tem de ser esclarecido pelo Ministério das Finanças, sublinhou a deputada do BE Mariana Mortágua, que explicou o requerimento que a sua bancada enviou ao gabinete de Mário Centeno. "Não deixamos de questionar se o presente término da isenção do pagamento do IRC por parte da Autoridade Tributária não se afigura apenas como mais um benefício concedido à Mutualista", questiona Mariana Mortágua, que solicitou o parecer que deu origem a essa isenção.

Aos jornalistas, a bloquista disse que é preciso ainda que o Governo explique como chegou ao "cálculo detalhado dos ativos por impostos diferidos" no referido "total de 808,6 milhões de euros para o exercício económico de 2017".

A direita insistiu sobretudo em saber os contornos que envolvem a entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio Geral. Para a centrista Cecília Meireles, o Governo deve explicar essa entrada, mesmo que seja "bastante mais mitigada".

Já António Leitão Amaro, do PSD, sublinhou que esta decisão é "estranha e incompreensível para os portugueses", que o partido "está contra", afirmando que a solução pode custar ainda mais dinheiro do que o previsto.

Aos jornalistas, o socialista João Galamba replicou, dizendo estranhar "alguma surpresa" do PSD e CDS, porque os dois partidos "legislaram sobre ativos por impostos diferidos - legislação essa que tinha impactos bastante ruinosos para o Estado e que motivou mais tarde, em 2016, a sua alteração".

PCP, BE e PS afirmaram que estão a trabalhar na mudança a este regime, depois de uma primeira alteração aos prazos. Segundo Mariana Mortágua, com o regime aprovado pelo anterior governo, os bancos podem estar a beneficiar daqueles créditos "ad eternum".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.